A data era 17 de setembro de 1788 e a Batalha de Karánsebes havia acabado de começar, onde hoje é a atual Romênia. Naquela época, a Áustria - aliada ao czar - e a Turquia estavam em conflito por conta do rio Danúbio. O exército austríaco, a estrela de toda essa confusão, era composto por nada menos que poloneses, tchecos, alemães, franceses, sérvios, croatas e, por fim, os próprios austríacos. Comunicar-se naquele exército era tão desafiador quanto entender o filme Donnie Darko.

Momentos antes da desgraça acontecer

O conflito já estava rolando há cinco meses, mas nenhum soldado austríaco havia encontrado um inimigo sequer e, apesar disso, todos já estavam exaustos. Sem contar que um enorme contingente de homens foi abatido pela malária. Contudo, as últimas notícias diziam que os inimigos otomanos estavam a caminho.

Tudo começou quando a cavalaria austríaca, em uma patrulha noturna do outro lado do rio, avistou um bando de ciganos vendendo rum. Diante da oportunidade de relaxar os ânimos na véspera de mais uma batalha, alguns oficiais compraram a bebida. Após certo tempo, um grupo da infantaria encontrou a bebedeira e quis participar. Mas, é claro que os oficiais não iriam dividir o rum com uns “pés-rapados”. A discussão foi ficando cada vez mais acalorada.


O divisor de águas: tiro disparado em uma "briga de bar"

A discussão virou uma briga séria, com direito a porradaria e um tiro disparado (exatamente tiro, porrada e bomba - esta última estava prestes a acontecer). A partir daí, foi só ladeira abaixo. Alguém escutou o estampido e, entendendo tudo errado, começou a anunciar que os turcos haviam chegado. Foi, literalmente, o grito de derrota.

Os ciganos e a infantaria bateram em retirada na direção do acampamento. No meio de toda aquela confusão, o exército austríaco acreditou que estava sob ataque turco e recebeu seus próprios aliados à bala. Alguns soldados novatos, apavorados com a situação, estavam fugindo. Os oficiais alemães tentaram impedir o ato, gritando “Halt!” (“Parem!”). Os novatos, por serem leigos em alemão, acabaram confundindo com “Allah!” - eles entenderam como uma referência aos turcos islâmicos gritando por seu Deus.


Resultados de uma tragédia estúpida

O caos terminou de se instalar, e os soldados desesperados começaram a trocar tiros em um cenário bem pior que de uma partida em Battlefield. Logo após isso, um comandante austríaco, diante da suposta investida turca, ordenou que fosse feito um ataque de artilharia - sim, contra seu próprio exército!

O estrago foi enorme: mais de dez mil homens acabaram mortos ou feridos. Dois dias depois, os turcos chegaram e se deparam com a cena de um exército que causou sua própria derrota. Sem dúvidas, eles ficaram muito felizes por tomarem a cidade de Karánsebes sem dificuldade alguma.


Se formos pensar bem, o conflito acabou em um empate: no final das contas, os austríacos sequer tiveram a oportunidade de enfrentar um combate e saírem derrotados pelo exército da Turquia. Talvez, por esse ponto de vista, os resultados não tenham sido tão negativos assim.

Apesar de muitos confirmarem a existência desse ridículo conflito em Karánsebes, sua veracidade é extremamente questionada. O principal motivo é o tempo com que foram compilados e divulgados os registros desse episódio icônico. O primeiro escrito sobre o assunto foi feito somente 40 anos depois, publicado em uma revista militar austríaca. Alguns afirmam que essa demora toda foi equivalente ao tamanho da vergonha e, inclusive, motivada por ela.