Adolf Hitler, como todos sabem, cometeu suicídio em seu bunker em Berlim, em abril de 1945, e não deixou nenhum filho. Isso não significa, entretanto, que ele não tivesse familiares vivos que pudessem continuar seu legado.

"Adolfinho" Hitler (Foto: Wikimedia Commons/Domínio Público)

Mas, além de ser odiado mundo afora, o Führer não era muito querido pelos parentes, não! Tanto que seus descendentes chegaram a fazer um pacto de não ter filhos para, assim, evitar dar origem a novos Hitlers. E o que se sabe sobre a ancestralidade de Adolf? Prepare-se, pois a família era meio bagunçada!

Emaranhado genealógico

De acordo com Micheal Chimaobi Kalu, do site War History Online, Hitler era filho de um funcionário público austríaco chamado Alois Hitler Schicklgruber que, antes de se casar com a mãe de Adolf, Klara, teve outra esposa, uma mulher chamada Franziska, com quem teve dois filhos: Alois Jr. e Angela.

Alois Hitler Schicklgruber (Foto: Wikimedia Commons/Josef Reinegger)

Depois, com Klara, Alois teve seis filhos no total, mas apenas Adolf e sua irmã, Paula, sobreviveram até a idade adulta. Paula não chegou a ter filhos, mas sua meia-irmã, Angela, se casou com um homem chamado Leo Raubal, com quem teve três filhos, Leo Jr., Elfriede e Angela – a quem todos chamavam de “Geli” e que foi a sobrinha por quem Hitler se apaixonou e que morreu em circunstâncias estranhas enquanto vivia no apartamento do tio em Munique.

Klara, mãe de Adolf Hitler (Foto: Wikimedia Commons/PD-US)

Geli se suicidou aos 23 anos – segundo a versão oficial, pelos menos – sem ter nenhum filho, mas seu irmão, Leo Jr., se casou e se tornou pai de um menino, Peter Rabaul. Elfriede também contraiu matrimônio e deu à luz Heiner Hochegger. Segundo Michael, Alois Jr., era bígamo (pois é!), visto que se casou na Inglaterra com uma mulher chamada Bridget Dowling, com quem teve um filho, William Hitler, e também na Alemanha, com Hedwig, com quem gerou Heinz Hitler.

Distribuição familiar

Quando a 2ª Guerra Mundial eclodiu, William, que odiava o tio, fugiu para os EUA, se alistou na Marinha e chegou a combater contra os nazistas. Depois, com o fim do conflito, o meio-sobrinho de Hitler adotou o sobrenome Stuart-Houston e, mais tarde, se casou com Phyllis Jean-Jacques, com quem teve quatro garotos: Alexander, Louis, Howard e Brian. Do quarteto, só Howard se casou, mas ele faleceu em um acidente de carro em 1989, sem deixar filhos.

Hitler com a sobrinha, Geli (Foto: Reprodução/The Clever)

De acordo com Michael, sobre Heinz, o que se sabe é que ele chegou a servir às forças nazistas durante a guerra, mas foi capturado pelos soviéticos, torturado e acabou morrendo em consequência de seus ferimentos – também sem deixar filhos.

Isso significa que, resumindo, restam apenas cinco pessoas que guardam algum parentesco com Adolf Hitler: os irmãos Alexander, Louis e Brian Stuart-Houston, e os primos Peter Rabaul e Heiner Hochegger, sobrinhos-netos do Führer por parte de sua meia-irmã e seu meio-irmão, Angela e Alois Jr.

Quem são eles?

Do lado de Angela, dizem que seu filho Leo Jr. era o sobrinho favorito do Füher, e o filho deste, Peter Rabaul, hoje é um engenheiro aposentado e vive em Linz, na Áustria. Não se sabe muita coisa a respeito de Heiner Hochegger, filho de Elfriede, uma vez que ele manteve sua descendência com Hitler em segredo até o início dos anos 2000, mas parece que ele também vive na Áustria, como seu primo Peter.

William Stuart-Houston (Foto: Reprodução/All That’s Interesting)

Pela parte de Alois Jr., Alexander seria um assistente social em Long Island, em Nova York, e é praticamente vizinho de seus irmãos, Louis e Brian, que têm uma empresa de paisagismo. Os três irmãos também tentaram ocultar sua origem e ligação com o Führer – e não é de se estranhar que não quisessem contar ao mundo de quem eram parentes!

Aliás, a vontade de pôr um fim no legado de Hitler é tão grande que nenhum os cinco integrantes que ainda restam da família se casou, e eles fizeram um acordo de jamais terem filhos, para que a ligação genética com o Führer “morra” nesta geração. Outra coisa interessante sobre os sobrinhos-netos de Hitler é que, embora o livro Mein Kampf tenha rendido fortunas ao longo dos anos por conta dos direitos autorais, eles se recusaram a receber 1 centavo sequer, tamanho é o seu desgosto de guardar parentesco com uma das figuras mais polêmicas da História.