Parques vivem lotados, e basta terem animais em exposição para o público multiplicar. Não é difícil encontrar crianças, jovens, adultos e idosos em zoológicos, pois esse é o tipo de programa que agrada a todas as faixas etárias e classes sociais e dá a oportunidade para que as pessoas tenham contato com espécies que nunca veriam. Mas não é tudo um mar de rosas na intimidade dos parques de animais.

Há inúmeros casos de parques e zoológicos que tiveram seus portões fechados, e os motivos são diversos: falência, falta de investimento, oposição e pressão de ativistas por conta de maus-tratos aos animais. Os cenários após o fechamento são bem diferentes daqueles de diversão com os quais as pessoas estão acostumadas ao se lembrarem de parques.

Depois de fecharem as portas, os espaços abandonados se tornam bastante assustadores. Confira cinco lugares que já não são mais tão legais como antes.

1. Jungle Habitat

Ao ouvirmos Warner Bros., certamente não são parques de animais que surgem na cabeça, mas a empresa já administrou um desses em Nova Jersey, que só ficou aberto por 4 anos. Depois do sucesso instantâneo, o negócio ficou pouco viável e o fechamento não demorou muito para acontecer, motivando, inclusive, investigações sobre mortes de animais que sequer foram enterrados após o encerramento das atividades.

O parque, chamado Habitat da Selva, tinha inúmeros animais e até um safari. Entre os acidentes que aconteceram e acabaram motivando o abandono do parque, estão um turista atacado por dois leões, lobos que fugiram e entraram na cidade de West Milford, um apresentador de televisão arranhado por um filhote de tigre, uma mulher mordida por um bebê elefante, entre outros incidentes que pouco ajudaram o parque a se manter ativo. Hoje, o local é um espaço em que as pessoas caminham e pedalam, mas ainda há muitas gaiolas antigas em pé.

(Fonte: West Milford Jungle Habitat)

2. Alligator Land

Na Flórida dos parques superfamosos, o Alligator Land foi alvo de uma inspeção surpresa depois que o Gatorland questionou a "semelhança" entre a estrutura de entrada dos dois parques, considerando que o seu era mais velho e existia desde a década de 1960, 10 anos antes do Alligator Land.

Lar de inúmeros animais exóticos, a casa dos jacarés tinha recintos fora dos padrões, gaiolas infestadas de fezes e animais que não eram tratados adequadamente, então o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) emitiu uma multa que o proprietário Darren Browning se recusou a pagar; 2 dias depois, no tribunal, ele chegou a questionar a competência dos inspetores.

Anos de derrotas judiciais contra a USDA depois, o parque foi vendido em 1995 e reaberto com o nome de Zoológico de Jungleland. Após inundações, fugas de animais e mais inspeções da USDA, o parque fechou de vez em 2002. Embora a estátua de jacaré em frente ao parque tenha sido destruída em 2014, as demais estruturas seguem por lá.

(Fonte: Abandoned Florida)

3. Nay Aug Park Zoo

Orgulho da Pensilvânia entre 1924 e 1935, o Nay Aug Park chegou a receber cerca de 500 visitantes por dia em seus tempos áureos, mas a péssima manutenção das casas dos animais provocou muitos questionamentos e iniciou a derrocada de mais um dos muitos parques que tiveram o mesmo destino. Macacos morreram por causa de uma falha no sistema de aquecimento, uma leoa matou dois filhotes após um defeito nas portas das gaiolas, um macaco escapou e mordeu um atendente, animais fugiram e foram mortos a tiros, entre outros acidentes que levaram o parque a entrar na lista dos 10 piores zoológicos do país, segundo a revista Parade.

Com o pretexto de problemas financeiros, o parque foi fechado em 1988. Em 2003, foi reaberto como o zoológico Genesis Wildlife Center, mas protestos contra maus-tratos de animais e má estrutura levaram o parque a fechar as portas novamente em 2009. O prédio principal foi reformado e reaberto como uma clínica de esterilização de baixo custo para cães e gatos. A iniciativa foi da Street Cats.

(Fonte: 911 Animal Abuse)

4. Catskill Game Farm

Primeiro zoológico de propriedade privada dos Estados Unidos, o Catskill Game Farm foi inaugurado após a Segunda Guerra Mundial. Embora tenha sido o maior zoo de todos os tempos, não demorou para ganhar uma reputação bem sombria. O fundador, Roland Lindermann, expandiu o parque e incluiu animais raros e ameaçados, além dos domesticados. Mas a fama não era boa. As denúncias de que os bichos estavam sendo vendidos para caçadores ganharam os noticiários, e registros de inspeção apontaram que mais de 150 animais foram enviados ao Texas sem que se saiba o que aconteceu com eles.

Em 2006, manifestantes invadiram o espaço na tentativa de pressionar os donos a doarem os animais para santuários. Após o fechamento do parque, um leilão aconteceu para destinar os bichos, e ativistas tentaram comprar o maior número possível deles, mas muitos foram comprados por caçadores. Em 2012, a propriedade foi vendida, e após ficar abandonada foi transformada no The Long Neck Inn.

(Fonte: Fast Company)

5. Discovery Island

Já vimos Warner Bros. na lista, e agora é a vez do poderoso Walt Disney World. O Discovery Island era o destino mais selvagem do famoso parque de Orlando, que incluía animais, vegetação nativa e exótica e até uma "praia", que esteve ativa entre 1974 e 1999. O local explorava a temática pirata e por isso se chamou Ilha do Barba Negra, mas, à medida que a construção ficava pronta, o grupo decidiu torná-la mais tropical e a renomeou como Treasure Island. A ilha foi se tornando mais selvagem e animal e finalmente recebeu o nome de Discovery Island.

Em 1989, uma investigação apontou que funcionários disparavam com rifles e espancavam animais até a morte, além de destruir ninhos e ovos. A má fama fez o parque fechar em 1999, e os animais foram realocados para o resort Animal Kingdom. A ilha na qual o parque funcionava foi tomada pela vegetação, mas exploradores já estiveram lá e viram as estruturas e os prédios abandonados, além de vários espécimes abandonados em frascos.

(Fonte: Shane Perez)