Neste último final de semana, Jahquez Scott, 21, condenado após agredir policial, invadir propriedade privada e estar sob posse de substâncias ilícitas, fugiu da prisão do condado de Cook, Chicago, após trocar de identidade com um colega de cela e utilizar uma máscara contra coronavírus, entregues a todos os detentos sob ordens judiciais como política de combate à pandemia e preservação à vida, enganando agentes penitenciários.

Programado para ter sua liberdade concedida no início deste mês de maio, Quintin Henderson, 28, havia cumprido pena por posse de drogas, porém vendeu sua identidade para o amigo sob a promessa de ganhar US$ 1 mil como ajuda quando ambos se encontrassem fora da prisão. A informação foi confirmada pela porta-voz da cadeia, segundo matéria do New York Post.

"Scott, 21 anos, utilizando uma máscara, usou o nome completo e informações pessoais de Henderson para se passar por ele e deixou a custódia do vínculo-1 de Henderson", disse o xerife do condado de Cook, em nota oficial à imprensa. "Os funcionários da cadeia descobriram que havia uma discrepância já que não tinham a papelada de Henderson quando ele forneceu suas informações para quitação. Uma investigação interna está sendo conduzida e uma pesquisa está em andamento quanto a Scott."

Jahquez Scott (esquerda) e Quintin Henderson (direita). (Fonte: Cook County Sheriff's Office/Reprodução)Jahquez Scott (esquerda) e Quintin Henderson (direita). (Fonte: Cook County Sheriff's Office/Reprodução)

Jahquez Scott empreendeu fuga no instante em que o nome de Henderson foi convocado para iniciar o procedimento de soltura, assinando toda a papelada utilizando as informações compradas de seu amigo. A farsa, então, foi descoberta apenas no dia em que o detento mais velho ia ser libertado, já que não possuía mais seus documentos pessoais, quando alegou que, no momento em que seu nome real havia sido chamado, estava dormindo, e não sabia de nada sobre a conspiração criada por seu colega Scott.

Dessa forma, Quintin passou a ser enquadrado em outro crime, o de colaborar com a fuga de um criminoso, afiançável em US$ 25 mil, e continuará preso na penitenciária local. Enquanto isso, Jahquez Scott está sendo procurado pela polícia, ainda sem paradeiro revelado e dado como foragido, "vagando pelas ruas como um homem livre graças, em grande parte, à pandemia de Covid-19", segundo palavras do xerife.