Nascida Ada Deletuk em 1898 na comunidade censitária de Solomon, no Alasca, a mulher era uma nativa da tribo Inupiat, porém teve essa parte rasgada de sua identidade durante a infância quando se mudou para a cidade de Nome.

Criada por um casal de missionários metodistas, ela aprendeu inglês o suficiente apenas para conseguir interpretar e estudar a Bíblia, sendo privada de qualquer atividade que lembrasse sua origem — e que se provaria necessária para o que ela enfrentaria. Eles a ensinaram como deveria se comportar, cuidar das tarefas domésticas, ser uma boa costureira e cozinhar para as pessoas brancas.

Aos 16 anos de idade, ela se casou com o musher de trenós Jack Blackjack e deu à luz três filhos, porém apenas um, Bennett, conseguiu sobreviver à infância. Em 1921, Ada foi abandonada pelo marido na Península de Seward e teve que caminhar cerca de 60 quilômetros de volta para Nome carregando o filho de 5 anos que sofria de tuberculose e outros problemas de saúde.

Destino terrível

(Fonte: History Daily/Reprodução)
(Fonte: History Daily/Reprodução)

Desamparada, Ada colocou Bennett em um orfanato até encontrar um emprego em que pudesse ganhar o suficiente para poder sustentá-lo.

Em 1921, o explorador e etnólogo islandês Vilhjalmur Stefansson decidiu que reivindicaria para o Canadá a Ilha de Wrangel, localizada na Sibéria, muito embora o governo jamais tivesse demonstrado interesse nessa conquista. Uma vez que seu ego era maior do que o bom senso, ele financiou uma expedição com Fred Maurer, Milton Galle, Allan Crawford e Lorne Knight, jovens inexperientes e deslumbrados que trariam essa vitória para ele.

O homem embarcou a equipe em um navio para o Ártico com apenas 6 meses de suprimentos e a promessa de que o ambiente forneceria mais provisões. Quando eles aportaram em Nome, Ada ficou sabendo da expedição e que eles procuravam uma costureira e cozinheira nativa que falasse inglês para trabalhar por US$ 50 durante cerca de 5 meses. Ela rapidamente se voluntariou para o cargo.

Em 21 de setembro de 1921, ela partiu a bordo do Silver Wave com os quatro homens despreparados e uma gata chamada Victoria rumo a um destino terrível.

O início do pesadelo

(Fonte: Anchorage Press/Reprodução)
(Fonte: Anchorage Press/Reprodução)

"A princípio, pensei em voltar, mas decidi que não seria justo com os meninos", confessou Ada em seu diário assim que chegou em Wrangel. Foi lá que a mulher ouviu que a viagem seria bem mais longa, principalmente porque a ilha tem cerca de 146 quilômetros de uma terra estéril e selvagem.

Durante 1 ano, conformada, Ada costurou e cozinhou para os homens, que descobriram que o local não era tão propício para caça como Stefansson havia dito. O problema chegou com o fim do verão, quando o navio fretado para buscá-los teve que voltar depois de um bloco de gelo quase perfurar seu casco. Os estoques de comida acabaram, a caça desapareceu de vez e a expedição se viu abandonada em meio a quilômetros de água congelada.

Naquele momento, ficou claro para todos que precisariam sobreviver até o ano seguinte. Stefansson apelou ao governo canadense para que custeasse um navio de resgate, porém as autoridades consideraram arriscado demais devido às condições meteorológicas.

Em 28 de janeiro de 1923, quando Knight já havia adoecido de escorbuto, os outros três homens decidiram tentar chegar andando à Sibéria na esperança de encontrar resgate. Eles partiram sob uma temperatura de -48 °C e nunca mais foram vistos.

A heroína da neve

(Fonte: My Hero Project/Reprodução)
(Fonte: My Hero Project/Reprodução)

Ao longo de 6 meses, Ada cuidou de Knight e foi sua enfermeira, médica, companheira, caçadora e lenhadora. Apesar de ele ter voltado sua ira e frustração para ela, a mulher não permitiu que as agressões da ingratidão a acertassem. "Ele nunca parou e pensou em como é difícil para uma mulher ocupar o lugar de quatro homens, como é difícil cortar madeira, caçar algo para comer e limpar a merda dele", escreveu em seu diário.

Em 23 de junho daquele ano, Knight faleceu.

(Fonte: Blue Zoo/Reprodução)
(Fonte: Blue Zoo/Reprodução)

Abandonada em meio ao Ártico com apenas uma gata como companhia e sem saber quase nada sobre sobrevivência, Ada se recusou a ceder ao desespero, pois sabia que poderia nunca mais sair dali para reencontrar Bennett. Sem força física e emocional para enterrar o cadáver de Knight, ela ergueu uma barricada de caixas para protegê-lo de animais selvagens e se mudou para a tenda de armazenamento.

Por mais 3 meses, ela aprendeu sozinha a atirar em pássaros para comê-los, construiu uma plataforma para avistar ursos polares a distância e criou armadilhas para atrair raposas brancas, que também fez de alimento.

Passada para trás

(Fonte: Pinterest/Reprodução)
(Fonte: Pinterest/Reprodução)

Em 20 de agosto de 1923, quase 2 anos desde que desembarcou na Ilha de Wrangel, a escuna Donaldson resgatou Ada, que afirmou que teria aguentado o tempo que fosse se ainda tivesse esperança de reencontrar o filho. "Ela havia dominado o ambiente e eu tenho certeza de que ela poderia ter vivido por mais 1 ano lá", observou um dos membros da equipe de resgate em entrevista ao LA Times em 1924.

Por incrível que pareça, foi Stefansson quem lucrou com a história da heroína inupiat e a expedição fracassada, apropriando-se de todos os detalhes que a mulher relatou para os veículos de imprensa. O explorador pagou a ela um valor mais baixo do que o combinado, mas Ada não reclamou.

Ela recuperou Bennett e procurou tratamento para a doença do filho. De volta à estaca zero de quando embarcou no Silver Wave, os anos seguintes foram marcados por miséria e tristeza. A mulher ainda teve que lidar com a perseguição da mídia sensacionalista, que queria acusá-la de não ter cuidado de Knight.

Em 1972, Bennett não resistiu e morreu de derrame aos 58 anos de idade. Em 29 de maio de 1983, aos 85 anos, foi a vez de Ada Blackjack morrer sozinha em um asilo em Palmer, no Alasca, enquanto ainda faziam fortuna com sua história.