Os russos já enviaram vários animais ao espaço — como cães, caracóis, ratos etc. —, e inclusive já falamos sobre esse assunto aqui no Mega Curioso. Pois em uma das últimas remessas, o pessoal da Roscosmos, agência espacial federal russa, mandou um time de cinco lagartixas para acasalar em órbita e permitir que os cientistas conduzissem um estudo sobre a viabilidade da reprodução em ambientes com gravidade-zero.

Segundo o site Wired, os bichinhos (da família Gekkonidae) estavam a bordo do biossatélite Foton-M4 — lançado no dia 19 de julho — em companhia de drosófilas, sementes, plantas e outros organismos. No entanto, hoje, após seis semanas de missão, o pequeno foguete do amor regressou à Terra, e quando a escotilha foi aberta, os cientistas descobriram que todas as lagartixas, quatro fêmeas e um macho, infelizmente haviam falecido.

Repercussão mundial

A notícia sobre a morte dos pequenos lagartos ganhou bastante repercussão pelo mundo e, de acordo com o site NBC News, uma fonte não identificada teria revelado que todos os bichinhos se encontravam mumificados e é possível que tenham morrido congelados. A missão com o Foton-M4 foi conturbada desde o início, já que o dispositivo deixou de responder aos comandos pouco depois do lançamento.

A agência russa eventualmente conseguiu reestabelecer o contato com o biossatélite, mas o Foton-M4 acabou ficando em uma órbita mais elíptica do que o planejado. Mais problemas com a comunicação acabaram levando os cientistas a reduzir a duração da missão, trazendo o satélite de volta antes do esperado.

Os cientistas ainda devem conduzir estudos para determinar a causa da morte dos animais. Contudo, nem tudo são más notícias. Apesar da trágica e prematura morte das lagartixas, as drosófilas — pequenas moscas — que também faziam parte da missão sobreviveram à aventura no espaço.