Muitas vezes basta uma mudança de perspectiva para que possamos apreciar a dramaticidade de acontecimentos que normalmente acharíamos banais. Quando acendemos um palito de fósforo, por exemplo, tudo o que costumamos ver é um rápido brilho seguido por um pouco de fumaça e uma chama acesa. No entanto, quando o mesmo processo é visto em câmera lenta no vídeo acima, a coisa realmente muda de figura.

A gravação macro foi feita pela companhia de produção UltraSlo e certamente serve para nos dar noções mais amplas de como funciona o fogo e a ignição. Na cabeça de um palito de fósforo podemos encontrar elementos como pó de vidro, fósforo vermelho, enxofre e clorato de potássio, que interagem de forma única para que possamos usar a chama ao nosso favor – ou contra outras pessoas.

Quando isso tudo é esfregado em uma superfície áspera (como a da lateral da caixinha), a fricção gera calor o suficiente pra que o vidro em pó transforme o fósforo vermelho em fósforo branco, gerando um calor que quebra as moléculas de clorato de potássio e acaba liberando oxigênio. O gás, por sua vez, se combina com o enxofre para que a chama se mantenha por tempo o suficiente para que possamos acender algo com o palito.

Tudo sob controle

Normalmente, como todos sabemos, todo esse processo químico em cadeia acontece em uma fração de segundos. No entanto, a equipe do UltraSlo utilizou uma câmera especial para filma o acontecimento em impressionantes 4 mil quadros por segundo, permitindo a reprodução do espetáculo na velocidade acima.

Além disso, eles também contaram com mais de 2 mil watts em luzes, espelhos e refletores estrategicamente posicionados para amplificar os efeitos dessa impressionante transformação. Confira o resultado acima e deixe sua opinião nos comentários.