O escritor e fotógrafo francês Maxime Du Camp viajou ao Egito em 1849 e retratou o país muito antes de ele se tornar um polo turístico. Nesta foto, é possível ver o Templo de Dendera, um dos mais preservados da história egípcia

Du Camp estava na companhia do também escritor Gustave Flaubert e criou aquele que seria um dos primeiros conjuntos fotográficos de viagens da história, ainda nos primórdios da fotografia. Nesta imagem, ele capturou a tumba do faraó Ramsés III

Quando retornou à França, em 1851, Du Camp compilou um livro com as 125 fotos feitas durante a viagem, como esta que mostra a esfinge de Gizé em primeiro plano e as famosas pirâmides ao fundo

As fotografias originais, como esta do templo de Isis, foram compradas por uma família da África do Sul e permaneceram como relíquias durante gerações

Agora, 59 dessas imagens estão em um leilão, e espera-se arrecadar US$ 20 mil com elas – atualmente está em pouco mais de US$ 12 mil e você pode fazer um lance através deste site

Leilões semelhantes, entretanto, já alcançaram a cifra de US$ 1 mil por fotografia, então não é de se espantar se esse valor subir bastante nos próximos dias

Além do Egito, Du Camp e Flaubert visitaram a Síria, a Namíbia e a Palestina

Na época, as primeiras fotografias haviam sido feitas há 30 anos, e o equipamento era bastante rudimentar. Tais fatos transformam essa coleção em algo inigualável

Du Camp se tornou famoso com elas, tendo sido premiado pela Ordem Nacional da Legião de Honra por sua contribuição nos estudos da arqueologia