Já pensou como seria legal poder prender um arco-íris dentro de um cubo de gelo? É mais ou menos isso o que aconteceu em uma gruta congelada debaixo de uma geleira. As “cavernas arco-íris” ganham cores por meio da refração da luz através do gelo – quanto mais grosso ele for, mais esmeralda ele fica.

Denis Budkov, um fotógrafo russo da península de Kamchatka, resolveu adicionar um toque pessoal à formação rochosa. Utilizando chamas e cuspindo fogo no local, ele transformou os tons de azul em vermelho escuro, montando assim imagens impressionantes.

Uma viagem ao coração das cavernas arco-íris

As formações foram fotografadas perto do vulcão Mutnovsky, que fica 72 km ao sul da região central de Petropavlovsk-Kamchatskiy. Arriscando a própria vida, Budkov produziu os efeitos e os capturou com perfeição.

“Estava muito frio e molhado lá dentro. Além disso, a água escorria das paredes e do teto”, explicou o rapaz que também trabalha como guia. “Com a temperatura de zero grau, as lentes começaram a ficar húmidas, o que dificultou as fotos”.

Denis contou que, conforme descia às profundezas da gruta, o lugar ficava cada vez mais impressionante. Maravilhado com as cores, o ele concluiu que valia a pena o risco do teto desabar para capturar as imagens.

Arco-íris mágico

A formação única dessas cavernas é criada pelo inverno pesado da região russa, o que faz com que a neve seja comprimida e forme grossas camadas de gelo. Depois, quando chegam os meses de verão, o intenso descongelamento cria desmoronamentos que fluem para fora dos túneis e cavidades.

Embora pareça montagem, as cores purpuras, azuis, verdes e amarelas são o resultado dos raios de sol passando pelo gelo glacial e adentrando no incrível mundo inferior das grutas. A paisagem fotografada foi esculpida na geleira por um rio que nasce em uma fonte quente oriunda do próprio vulcão.

“Passei alguns dias perto das cavernas, mas só me aventurei dentro delas no fim da viagem. Fiquei com medo de que o teto desabasse, e como é uma formação próxima a um vulcão, a área em geral é bastante volátil. Todavia, estava muito curioso e não podia perder a oportunidade de fotografar aquelas cores incríveis”, relatou Budkov.