Não é nenhum segredo que alguns cogumelos podem ter efeitos um tanto quanto peculiares no organismo, como provocar alucinações e até intoxicações graves. Contudo, de acordo com Bec Crew, do portal Science Alert, uma dupla de pesquisadores publicou um relatório há alguns anos no qual revela ter descoberto mais uma faceta interessante desses versáteis fungos.

Segundo Bec, a pesquisa em questão foi conduzida por John C. Holliday e Noah Soule em 2001, e nela os cientistas descrevem uma espécie de cogumelo cujo odor seria capaz de provocar orgasmos espontâneos em algumas mulheres.

Conforme explicaram no relatório, o fungo da alegria — que é do gênero Phallus (antigo Dictyophora) — tem coloração alaranjada, é endêmico do Havaí, e só pode ser encontrado sobre lavas vulcânicas que foram expelidas entre 600 e mil anos atrás. Hum...

Yessss

Os pesquisadores teriam se interessado pelo cogumelo depois de ouvir histórias a respeito de um fungo muito raro apreciado pelas havaianas com poderosas propriedades afrodisíacas. O estudo envolveu a participação de 36 voluntários — 20 homens e 16 mulheres — que tiveram que dar uma cheiradinha no cogumelo misterioso.

De acordo com os pesquisadores, as 16 mulheres que participaram do experimento reagiram em maior ou menor grau à exposição ao fungo. Das voluntárias, seis revelaram que tiveram orgasmos leves espontaneamente após o contato com o cogumelo, enquanto que as outras dez receberam doses menores e apresentaram um ligeiro aumento na frequência cardíaca.

Com base em suas observações, os cientistas concluíram que o efeito pode estar associado a compostos presentes no cogumelo parecidos a hormônios e que teriam propriedades similares às de neurotransmissores que são liberados durante o ato sexual. E você ficou curioso sobre o que os participantes do sexo masculino disseram depois da experiência? Os homens não sentiram absolutamente nada — e só reclamaram que o fungo era fedorento.

Calma lá!

Se você achou que os pesquisadores fizeram uma descoberta ímpar, é melhor atentar para alguns detalhes antes de comemorar — e de tentar descobrir uma forma de trazer os cogumelos havaianos para o Brasil!

Cientificamente falando, existem bem poucas evidências de que o tal cogumelo do amor realmente funciona. Isso porque, para começar, segundo Bec, o estudo apresentado por Holliday e Soule tem apenas uma página e está baseado em observações envolvendo uma amostragem incrivelmente pequena para que seja considerada relevante.

Além disso, dos 36 voluntários, apenas seis relataram chegar ao clímax, enquanto que dos outros 30, 20 sentiram repulsa e dez só apresentaram uma leve reação fisiológica. Aliás, além de monitorar a frequência cardíaca, os pesquisadores não parecem ter feito muita coisa para provar que as mulheres realmente chegaram ao orgasmo, sem falar que os resultados — até onde se sabe — não foram replicados em condições controladas por mais ninguém.

Mas...

De acordo com Bec, é possível que o cogumelo misterioso seja da espécie Phallus indusiatus, que pode ser encontrado nas regiões tropicais das Américas, sul da Ásia, África e Austrália. Pois no sul do Pacífico e no Havaí, esse mesmo fungo tem fama de ser um afrodisíaco feminino, e existem registros de que ele é empregado pela medicina chinesa desde o século 7.

Ademais, como os experimentos foram realizados no Havaí, ainda existe a possibilidade de que as mulheres que participaram dos testes tenham sido influenciadas pela “fama” do cogumelo. Portanto, as reações que elas descreveram podem ter sido desencadeadas pelo poder da sugestão psicológica. Seja como for, assim como você, nós aqui do Mega Curioso esperamos que os cientistas identifiquem o fungo corretamente algum dia — e provem que ele funciona!