O sorriso de uma criança é capaz de derreter o coração de qualquer mãe. Mas e quando esse sorriso é permanente em todos os momentos da vida de um menino? Essa característica incomum chamou a atenção da britânica Annie Campbell, que notou que o seu filho de dois anos nunca parou de sorrir desde os seus primeiros meses.

Além disso, a mãe percebeu também que ele era incapaz de se concentrar corretamente, tendo ainda dificuldades motoras e de fala. Foi quando ela decidiu investigar qual era o problema do menino Ollie, apesar do sorriso dele iluminar todos os seus dias.

Doença genética

Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail

De acordo com o Daily Mail, periódico em que o caso foi divulgado, o pequeno garoto de cabelos loiros e olhos claros tem a síndrome de Angelman, uma condição genética rara que provoca graves dificuldades de aprendizagem, mas também faz com que a criança esteja sempre com a alegria estampada no rosto.

Essa doença rara tem menos de mil casos registrados no Reino Unido. A mãe de Ollie, Annie, disse ao Daily Mail: “O sorriso de Ollie e sua personalidade feliz fazem tudo valer a pena. Eu posso estar há noites sem dormir, mas o seu sorriso nunca deixa de me animar”. Ela conta que o menino foi um bebê muito tranquilo e sereno.

A mãe começou a perceber algo estranho quando o menino tinha seis meses, notando que o desenvolvimento dele estava atrasado em relação ao seu filho mais velho, que era muito mais avançado na mesma idade de Ollie. Ela disse que realizou um teste, tentando fazer com que o garoto seguisse o dedo dela com os olhos, mas ele não acompanhou; na manhã seguinte, ela o levou ao médico.

Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail

Entretanto, Annie já havia pesquisado sobre a síndrome de Angelman antes de o menino ter sido oficialmente diagnosticado com essa condição e tinha quase certeza do resultado, pois os sintomas que ela leu eram exatamente os mesmos de seu filho. Ollie passou por uma bateria de exames em mais de um hospital.

Alívio e futuro incerto

Depois do diagnóstico, a mãe se disse aliviada, pois agora saberia como cuidar melhor e ajudar o seu filho. Ela disse que se preocupa bastante com o futuro de Ollie, pois ele não será capaz de andar ou falar facilmente. “Ollie não vai ser capaz de falar ou caminhar com facilidade quando crescer, o que é perturbador. Eu me preocupo com ele no futuro e me pergunto como eu vou saber se ele está chateado ou triste, quando a síndrome de Angelman o deixa tão feliz o tempo todo. Mas, no momento, eu apenas desfruto do menino lindo que eu tenho”.