Da fundação da Roma antiga à expansão e queda do Império Romano, o impacto dessa civilização na História da humanidade foi tão intenso que até os dias de hoje podemos ver o reflexo de sua influência em um sem fim de aspectos da vida contemporânea. Entre as muitas áreas que se beneficiaram do legado deixado pelos antigos romanos, podemos mencionar a arquitetura, engenharia, medicina, tipos de governo, direito, artes, linguagem etc.

A seguir você pode conferir algumas curiosidades sobre o Império Romano — reunidas pelo site Discovery News — que você talvez desconheça e que, em alguns casos, inclusive fazem parte da nossa cultura:

1 – Torcedores baderneiros

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

O anfiteatro que ainda pode ser visto em Pompeia está entre os edifícios da antiguidade romana que sobreviveram à passagem do tempo. Assim como seu “irmão” maior, o Coliseu de Roma, a arena foi projetada para acomodar de forma segura grandes multidões durante eventos esportivos de grande porte.

No entanto, segundo registros históricos, naquela época já existiam torcidas pra lá de briguentas, e em 59 d.C. ocorreu tamanha confusão entre o “time” local e os visitantes, que a punição estabelecida foi o banimento de eventos na arena de Pompeia durante vários anos.

2 – Existia calefação

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

Roma era famosa por seus banhos públicos e termas, e muitas das casas mais abastadas contavam com sistema de aquecimento chamado “hipocausto”. Assim, os pisos dos edifícios ficavam elevados sobre pilares, e o espaço sob o chão era isolado com o uso de ladrilhos de cerâmica. Depois, o ar quente produzido por fornalhas ou fogueiras era direcionado para essa câmara vedada, e circulava pelas casas através de tijolos perfurados que ficavam nas paredes.

3 – As togas não eram meros lençóis

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

Apesar de hoje serem muito comuns em festas à fantasia, as togas não podiam ser usadas por qualquer um na Roma antiga. Elas só podiam ser vestidas por cidadãos romanos e os padrões e cores que elas apresentavam tinham significados específicos, correspondendo a determinadas hierarquias da sociedade da época. Além disso, as togas normalmente eram feitas de lã e tinham formato semicircular, e eram dobradas e enroladas seguindo um complexo sistema.

4 – Lingerie

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

Não pense que os romanos ficam nus sob as togas. Tanto homens como mulheres usavam uma peça de roupa chamada subligaculum que era usada como “tapa-sexo”. Esse adereço normalmente era feito de lã ou linho, embora também existissem versões mais requintadas e feitas de seda.

As mulheres às vezes usavam também uma espécie de top sem alças chamado mamillare ou strophium, e as mais jovens ainda tinham o costume de "prender" os seios firmemente com faixas de couro macio.

5 – Malditos impostos

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

Se você já está sofrendo com a entrega da sua declaração de imposto deste ano, saiba que sob as leis da Roma antiga, tudo era passível de cobrança! Um dos exemplos mais disparatados era um imposto sobre a urina, pago pelos mercadores que compravam esse inusitado material — que era usado para curtir o couro, por exemplo — coletado das latrinas públicas.

6 – Amor incondicional ao vinho

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

O vinho era um produto que simplesmente não podia faltar na mesa de nenhum romano, e era tão crucial na rotina da Roma antiga que até os escravos mais simplórios tinham direito a uma ração diária. Pompeia era um dos principais centros fornecedores da bebida para o Império, e quando o Monte Vesúvio entrou em erupção — e soterrou a cidade — e os estoques foram destruídos, o efeito disso foi devastador.

O pânico pela falta da bebida fez com que os fazendeiros romanos começassem a substituir as plantações de grãos por videiras, resultando, consequentemente, na falta de comida. Além disso, com a superprodução das novas vinícolas, a economia romana se tornou ainda mais instável, levando o Imperador Domiciano a proibir a criação de outros vinhedos.

7 – Diversão

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

Além de atender aos enormes espetáculos que aconteciam nos coliseus, os romanos também gostavam de se divertir com jogos de tabuleiro e de dados. Aliás, inclusive os cidadãos das classes mais baixas participavam das jogatinas, e entre as opções — normalmente bem estruturadas e baseadas em complexas regras — existia um sofisticado jogo de estratégia militar que ecoava o apreço da cultura romana pelas guerras e batalhas.

Além desse jogo, especialistas também conseguiram recriar as regras de outras opções apoiados em descobertas arqueológicas e registros históricos. Assim, mais títulos populares descritos pelos estudiosos são “O Jogo dos Reis”, “O Jogo dos Bandidos” e “O Jogo das Doze Marcas”.