O ano é 2014, mas alguns lugares do mundo parecem não ter percebido isso. Na Grécia, país popularmente conhecido por suas paisagens históricas e seu ambiente romântico, ainda há um lugar que vive como se estivesse na Idade Média.

A península de Monte Atos é uma região grega onde mulheres são proibidas. Lá, vivem cerca de 2.500 monges ortodoxos – o local é tradicionalmente uma residência de religiosos desde o século IX. Aliás, tradicionalmente falando, nada mudou desde então. A modernidade até chegou a Monte Atos, mas apenas por meio de carros e celulares. Por lá, os monges ainda usam o calendário juliano e o sistema bizantino de tempo – o que significa que os dias começam na hora do pôr do Sol.

A rotina na península é basicamente dedicada aos rituais de oração e vigília, e qualquer pessoa pode visitar o local. Quer dizer: qualquer pessoa do sexo masculino. Em Monte Atos mulheres são proibidas. Podemos chamar a península de o maior clube do bolinha do mundo, portanto.

Mais uma questão religiosa

A razão pela proibição se dá, de novo, por questões religiosas, mais especificamente relacionadas à Virgem Maria. Reza a lenda que a mãe de Jesus Cristo estava velejando sozinha quando uma tempestade a acabou levando para o Monte Atos e, uma vez que estava lá, Maria aproveitou para converter todos ao cristianismo.

Alguns anos mais tarde, monges começaram a ter visões de Maria e se tornaram devotos tão fervorosos da mãe de Cristo que resolveram proibir a entrada de qualquer outra mulher na região, afinal a única permitida era a própria virgem. Além do mais, é teoricamente mais fácil manter os votos de celibato sem mulheres por perto.

E não é só isso

Se a proibição de mulheres já é bizarra o suficiente, espere só por esta: fêmeas, em geral, são banidas da península. Nenhum animal do sexo feminino pode entrar em Atos. Nesse caso dos animais há algumas exceções: gatos, pássaros e insetos fêmeas são permitidos.

Logicamente, a proibição não impediu que algumas mulheres chegassem à península: em 2008 quatro mulheres foram encontradas na praia de Atos e muitas outras já atravessaram a cerca que isola o local. Uma filósofa francesa chamada Maryse Choisy foi mais além nessa curiosidade: ela passou por um processo cirúrgico para retirar seus seios, se disfarçou de homem e passou algum tempo em Atos, camuflada, até que foi descoberta pelos monges e expulsa.

Atos é o único lugar no planeta onde mulheres são proibidas de entrar e, em 2003, a União Europeia condenou a península por violar os princípios universais de igualdade de gênero. Ainda assim, a proibição continua de pé. Em pleno 2014.