O “Inferno”, como você deve saber, faz parte da “Divina Comédia” de Dante Alighieri, um épico lançado no século 14 pelo poeta florentino. Baseado na visão da época sobre o inferno bíblico, o de Dante é composto por nove círculos de sofrimento situados no interior do nosso planeta — e esse assustador local é descrito conforme o escritor vai sendo levado pelo poeta romano Virgílio através de seus diferentes níveis.

Durante o seu “tour” pelo Inferno, Dante se depara com uma porção de pecadores — sendo torturados das formas mais terríveis — e, apesar de muitos serem personagens fictícios, outros tantos foram pessoas que existiram na vida real. Debra Kelly, do portal ListVerse, reuniu algumas dessas figuras em uma interessante lista, e nós aqui do Mega Curioso selecionamos cinco delas para você conhecer melhor:

1 – Brunetto Latini

O Sétimo Círculo do Inferno é um lugar dividido em três vales, o primeiro reservado para assassinos e aqueles que tenham sido violentos com outras pessoas, o segundo reservado para os suicidas e indivíduos que tenham cometido atos violentos contra si mesmos, e o terceiro reservado aos blasfemos e sodomitas.

Brunetto Latini

Pois Brunetto Latini, um antigo professor do escritor, foi condenado a esse último vale do Inferno de Dante — apesar de não existirem evidências históricas que justifiquem a razão de o poeta ter colocado ali. Na verdade, Latini foi um homem muito respeitado, e diversos registros atestam sobre o seu virtuosismo e extraordinário talento como tutor.

Aliás, o próprio florentino parece ficar muito surpreso de encontrar o antigo professor em sua viagem pelo inferno. Uma das suspeitas é que escritor o tenha colocado no vale dos sodomitas devido aos métodos pouco convencionais que o tutor utilizava para ensinar seus alunos — e que nada tinham a ver com o que na época de Dante podia ser considerado como um “desvio” sexual. No entanto, essa é apenas uma teoria.

2 – Papa Nicolau III

Dante se encontra com o Pontífice no Oitavo Círculo do Inferno, um local reservado para os fraudulentos — o que não é especialmente surpreendente, considerando a quantidade de líderes gananciosos da Igreja Católica que enriqueceram às custas dos outros na época do escritor.

Papa Nicolau III

Pois Nicolau III, durante os breves três anos em que ocupou o cargo de Papa, foi acusado de usar sua posição para promover seus parentes e assegurar que sua família se tornasse uma das mais poderosas de Roma. O florentino considerava o Pontífice tão culpado de seus crimes que, quando o poeta o encontra, Nicolau está pendurado de cabeça para baixo em um poste — e acredita que Dante chegou para ocupar seu lugar como Papa no Inferno.

3 – Semiramis

Semiramis, também conhecida como Shammuramat, foi uma rainha do Império Assírio sobre a qual existem inúmeras lendas — e cuja história real se confunde com fantasia. Contudo, a Semiramis de carne e osso foi uma rainha que governou entre os anos 811 e 806 a.C. (outros períodos prováveis seriam entre 811-808 a.C. e 809 e 792 a.C.), desde a morte de seu marido, Shamshi-Adad V, até que seu filho, Adad-nirari III, tivesse idade suficiente para subir ao trono.

Shammuramat

A soberana teria sido a primeira mulher a governar um império sem o controle de um homem e, depois de ceder seu posto para o filho, ela continuou a exercer uma grande influência na corte. Alguns registros históricos atribuem um período de grande estabilidade no Império Assírio às ações dela.

Outros relatos históricos — em especial de autoria de historiadores romanos e cristãos — acusaram Semiramis de enfraquecer seu filho politicamente e, pior, de legalizar o incesto para que ela pudesse saciar seus desejos com o rapaz. Ademais, Semiramis também foi rotulada de ser uma tirana sedenta de sangue motivada pela cobiça, e foi possivelmente por conta dessas lendas que Dante a “jogou” no Segundo Círculo do Inferno, um lugar reservado aos luxuriosos.

4 – Bertran de Born

Bertran de Born foi um soldado, poeta e barão francês que viveu entre o século 12 e 13. Esse cara deixou uma quantia considerável de obras — muitas das quais com relatos sobre os antibaixos políticos de sua época, incluindo testemunhos sobre a sua própria luta pelo poder. Bertran disputou com seu irmão a posse da herança familiar, por exemplo, e armou a maior confusão com o Rei Henrique II da Inglaterra e seus filhos.

Bertran "Sem Cabeça" de Born

O francês era figura constante na corte de Henrique II, mas resolveu guerrear contra ele e se envolveu até o pescoço nos conflitos entre os filhos do monarca inglês — nos quais o mais velho, Henrique, o Jovem, liderou uma rebelião contra o irmão mais novo, Ricardo I ou Ricardo Coração de Leão. Só que Henrique (filho) morreu em campanha, e Bertran, que não era bobo, acabou fazendo as pazes com Henrique II e Ricardo, e voltou a fazer parte de sua corte.

Bertran abandonou a vida na corte, se tornou monge e dedicou o fim da vida a fazer caridade. Contudo, por conta de sua participação na briga familiar dos monarcas britânicos, Dante condenou o francês ao Oitavo Círculo do Inferno, um local que, como dissemos no item 2, é reservado aos fraudulentos. Mas o florentino não se contentou em só “jogar” Bertran no inferno — nesse lugar ele é encontrado carregando a própria cabeça decapitada.

5 – Filippo Argenti

O renomado político e cidadão florentino Filippo Argenti foi um dos maiores inimigos de Dante Alighieri, portanto, não é a toa que o poeta o lançou no Quinto Círculo do Inferno, dedicado à ira. Nesse local se encontra o rio Estige, que consiste em águas de sangue fervente e borbulhante, onde os condenados são obrigados a se debater e torturar em uma raiva eterna.

Quinto Círculo do Inferno

O motivo de tanto ódio contra Argenti foi parcialmente motivado pelo fato de ele ser o maior rival político do poeta. Entretanto, existem suspeitas de que a família de Argenti também teria se apossado das propriedades de Dante quando ele foi exilado de Florença — e há quem acredite que os dois inclusive teriam saído no tapa em uma ocasião.

Na verdade, o nome real de Argenti era Filippo Cavillucci, e ele teria recebido esse apelido por conta do ridículo costume de ferrar seus cavalos com ferraduras de prata em vez de ferro para exibir sua fortuna.  Além disso, em defesa de Dante, Argenti tinha fama de ser um cara pra lá de brigão — e teria sido descrito por outros escritores como uma pessoa extremamente violenta.