Se você nasceu depois dos anos 90, é muito provável que jamais tenha ouvido falar do engraçado, curioso e bizarro caso da jornalista e atriz Cristina Prochaska. Se você não sabe do que estamos falando, é bem fácil de simplificar o caso: o sobrenome dela, Prochaska, virou sinônimo de vagina depois de um clássico televisivo dos anos 80.

Tudo aconteceu na transmissão de baile de Carnaval de 1984, no Clube Monte Líbano, Rio de Janeiro. A jornalista estava prestes a encerrar a transmissão da TV Bandeirantes quando uma mulher às suas costas despiu-se por completo e começou a dançar no fundo da filmagem – e com movimentos bem animados. Temendo possíveis problemas com a censura da ditadura militar, o diretor Eduardo Lafond gritou desesperadamente para o câmera: “Fecha na Prochaska!”.

Em vez do focar a imagem na jornalista Cristina Prochaska, o câmera deu um zoom, bem, na outra Prochaska, com um close extremamente explícito. O resultado? Tudo virou uma grande piada e o sobrenome da jornalista virou sinônimo de vagina por um bom tempo. Hoje, Prochaska abandonou a carreira televisiva e mudou-se para Ubatuba, onde é diretora de turismo da prefeitura.

A Prochaska hoje

Jô Soares e Otávio Mesquita são exemplos de pessoas que procuram manter a história viva, apesar de hoje muitos já terem-na esquecido por completo. A jornalista e atriz diz que sempre que vai ao programa do Jô ele pergunta: “Como é que vai a sua Prochaska?”. Como atriz, Prochaska já participou de várias novelas, como “Vale Tudo”, e diz que achou tudo muito engraçado na época.

Por outro lado, o pai de Prochaska não ficou nada satisfeito. “Ele é um homem sério e o sobrenome dele virou gíria para vagina”, conta Cristina. O vídeo com todo o caso não pode ser encontrado no YouTube e, por motivos óbvios, não poderíamos postá-lo aqui também. Contudo, se você quiser saber mais detalhes sobre esse episódio hilário do jornalismo brasileiro, você pode assistir à entrevista de Otávio Mesquita no programa de Danilo Gentili logo abaixo: