Existem diversos lugares no mundo cuja visitação é bastante restrita, seja porque eles guardam segredos e tesouros inestimáveis — como é o caso dos locais que você pode conferir neste link e neste aqui — ou por razões de segurança, como acontece com as localidades que listamos nesta matéria e nesta também, por exemplo. No entanto, você sabia que existe uma ilha no Japão que proíbe a entrada de mulheres?

De acordo Erin Blakemore, do site Smithsoninan.com, se trata da ilha de Okinoshima, que faz parte da cidade de Munakata, na província de Fukuoka. Graças à sua importância histórica, arqueológica e religiosa, o local se tornou Patrimônio Mundial da UNESCO recentemente, mas só pode ser visitada por homens.

Clube do bolinha

Segundo Erin, durante os séculos 4 e 9, época em que o comércio fervilhava no Oriente, a ilha se transformou em uma espécie de local sagrado para os homens que, antes de seguir em suas viagens marítimas, paravam por ali para fazer suas orações. Com o passar do tempo, Okinoshima se tornou lar de milhares e milhares de oferendas deixadas pelos viajantes, como joias, contas, espadas e outras armas, e hoje acumula mais de 80 mil artefatos.

Okinoshima

O interessante é que, como muitos dos artefatos são anteriores aos registros históricos de rituais religiosos realizados no Japão, esses objetos são considerados tesouros nacionais pelo governo japonês. Por conta disso, Okinoshima inteira — que conta com uma área de pouco menos de 1 quilômetro quadrado — é considerada um local sagrado.

Com relação à proibição de que mulheres pisem na ilha, como Okinoshima é um santuário regido pela tradição religiosa Shinto, uma das explicações seria que as que estivessem menstruando poderiam profanar o local. Aliás, os homens, embora tenham passe (mais ou menos) livre, precisam passar por um ritual de purificação antes de poder visitar Okinoshima, o qual envolve ficar completamente nu.

Eita!

Por conta das restrições e dificuldades para poder visitar a ilha, ela não costumava ser um destino muito popular. Entretanto, com a inclusão do local na lista de patrimônios da UNESCO, as autoridades locais acreditam que é bastante provável que o interesse aumente. Mas, ainda assim, Okinoshima continuará sendo um território exclusivo para homens.