Uma equipe de 40 médicos, trabalhando mais de 27 horas, conseguiu separar dois gêmeos siameses que nasceram com uma rara união pelo crânio, chamada de craniopagus. Ela ocorre uma vez a cada 2,5 milhões de nascimentos, em média, e possui uma das separações cirúrgicas mais complexas da medicina.

Jadon e Anias McDonald nasceram em setembro de 2015 com o topo de suas cabeças conectadas. Além do crânio, partes dos tecidos cerebrais eram divididas pelos dois irmãos. A cirurgia aconteceu há cerca de 10 dias, em Nova York, pouco tempo depois de os gêmeos completarem seu primeiro ano de vida.

A operação só pôde ser realizada através de avançadas tecnologias de mapeamento por imagens. Mesmo assim, durante o procedimento, os médicos acabaram encontrando uma área de 5 x 7 centímetros de tecido cerebral que não tinha sido analisadada nos estudos para a separação dos gêmeos siameses.

Irmãos passaram 13 meses unidos pelo topo do crânio

O chefe da equipe de cirurgiões foi o doutor James Goodrich, que, por conta da raridade, estava realizando apenas a sua quarta cirurgia de craniopagus. Os dois irmãos tiveram diferentes complicações após a separação: Anias teve convulsão no dia seguinte, e Jadon está com o lado esquerdo paralisado.

Apesar disso, os médicos garantem que será necessário passar um período maior para que possíveis sequelas possam ser mais bem observadas. Jadon, o irmão com o caso mais complicado, levou 1 mês para se recuperar de uma cirurgia anterior. Seus pais esperam que o mesmo aconteça desta vez e que ambos os gêmeos possam ter uma vida normal depois dessa operação.

Nesta segunda (17), uma semana após a operação, Jadon voltou a mexer o olho esquerdo