A história da garotinha Jessica Knight, de apenas quatro anos de idade, tem chamado a atenção em todo o mundo após ter sido noticiada por diversos jornais. Portadora de uma condição rara, Jessica come móveis e objetos como os tapetes da casa onde mora, em Cambridgeshire, na Inglaterra. Além disso, ela também gosta de areia e cimento.

Essa preferência bizarra por itens não comestíveis é fruto de uma síndrome conhecida como alotriofagia, que a faz querer comer coisas sem valor nutricional. Geralmente, a síndrome afeta mulheres grávidas, que sentem necessidade de comer terra, tijolo e outras coisas que não são comestíveis.

Rotina alimentar diferente

“Eu fiquei realmente chocada quando percebi o quanto ela estava comendo. Se você erguer o carpet do quarto dela agora, você pode ver que não tem mais calço”, disse a mãe de Jessica, Kelly Will, em declaração publicada no Daily Mail. De acordo com ela, a família tenta controlar o apetite incomum da menina, mas a pequena sempre acaba encontrando coisas novas para comer.

Kelly conta que o problema foi percebido pela família quando Jessica tinha apenas dois anos e começou a comer a espuma de preenchimento da sua cadeirinha infantil. Na escola, Jessica já foi vista comendo areia diversas vezes.

O apetite inusitado da garotinha chegou a tal ponto que, para não destruir os móveis e outros itens da escola, os pais de Jessica enviam uma bolsinha com esponjas não tóxicas, para que a menina tenha o que comer, com medo de que, caso não mandem nada, ela coma outros objetos que possam ser tóxicos.

Tratamento

Preocupados, os pais de Jessica já a encaminharam para diversos especialistas médicos, mas não há tratamento para a síndrome, pelo menos não até que a garota chegue aos seis anos de idade. Com o passar do tempo, ela terá maturidade para saber que precisa comer alimentos e não objetos, e possivelmente vai colaborar com os tratamentos.

Os pais já conseguiram fazer com que ela coma alguns alimentos, e entre os favoritos de Jessica estão salsichas, queijo, pudim de arroz, pão e peixe. Ainda assim, frequentemente ela opta por comer seus petiscos incomuns, que acabam provocando cólicas estomacais e constipação intestinal, logicamente.

Ainda que seja apenas uma criança, Jessica já tem noção de que seus hábitos alimentares são diferentes e, inclusive, demonstra preocupação com isso, e com a opinião das pessoas sobre seu paladar peculiar. Além do mais, quando vai comer seus petiscos incomuns, ela faz questão de tirar sua irmã mais nova de perto, para que ela não queira fazer o mesmo.

Atualmente, Jessica está passando por testes de aprendizagem, pois mais de 25% das pessoas com dificuldades nessa área são portadores de alotriofagia, que pode ser fatal, incluindo risco de vômito, bloqueio de vias aéreas, afogamento e envenenamento.

***

Você já tinha ouvido falar dessa síndrome? Aqui no Mega Curioso nós já contamos histórias de pessoas que comem itens incomuns, como o homem que comeu um avião, a mulher que não consegue parar de comer pedra e, inclusive, a viciada em esponjas. Se você tem ou conhece alguém que tenha um paladar assim tão incomum, não se esqueça de procurar ajuda médica e psicológica. É sempre possível controlar a situação.