1. Doar órgãos ou o corpo inteiro?

Só no Brasil, existem quase 40 mil pessoas na fila à espera de um transplante de órgão. Infelizmente, muitas delas nunca conseguem. Um dos principais motivos é a falta de conhecimento, que faz com que muitas famílias não autorizem a doação. É importante lembrar que órgãos de um único corpo podem salvar até oito vidas! Além disso, tendões, válvulas cardíacas, córneas, entre outros, podem ajudar mais de 50 pessoas.

Além de salvar vidas, você pode auxiliar no trabalho de médicos e pesquisadores, que precisam estudar e desenvolver novos tratamentos terapêuticos e técnicas de cirurgia em cadáveres.

2. É possível realizar os dois tipos de doação?

A não ser que os pesquisadores necessitem de um corpo inteiro, é possível colaborar com as duas causas. Existem organizações que possibilitam que alguns órgãos sejam encaminhados para transplantes e, o que não for utilizado, é encaminhado para estudo. Porém, no Brasil, é mais comum que se escolha uma das duas opções.

3. Como doar o corpo para uma faculdade?

É preciso entrar em contato com a instituição, que vai explicar os procedimentos de doação e passar detalhes sobre o uso nos laboratórios de anatomia. Normalmente, é preciso preencher um termo de doação e chamar algumas testemunhas para assinar.

Depois da morte, os familiares ou amigos devem avisar a instituição, e o corpo não poderá ser velado. Além disso, em casos de morte acidental ou violenta, o procedimento de doação será cancelado.

4. Quais são as restrições?

Qualquer pessoa, de qualquer idade, pode doar órgãos para transplante. Apenas algumas doenças impossibilitam a doação, como HIV e câncer.

5. De onde vêm os corpos?

Atualmente, a maioria das instituições de ensino usam corpos de pessoas que morreram e não foram identificadas por amigos ou familiares – mas não se preocupe, tudo é feito de forma legal através da Lei n° 8.501, de 30 de novembro de 1992.

Por isso, a maior parte dos corpos usados em estudos são de homens. É muito difícil que essas instituições recebam corpos de crianças, já que o trauma é grande para as famílias.

6. Há algum custo?

A remoção de órgãos e tecidos acontece imediatamente após a morte e não tem custo algum para a família. Da mesma forma, a doação do corpo também é gratuita. Caso o cadáver seja usado para uma determinada pesquisa, a instituição pode cremar os restos e devolver para a família.

7. Existem outras opções de doação?

Em alguns países, as pessoas podem doar seus corpos para testes de colisão realizados em carros. Há também quem prefira realizar a doação para antropólogos e pesquisadores forenses, que estudam a decomposição e pesquisam os corpos para tentar determinar a hora da morte.

Você aceitaria que o seu corpo fosse doado para estudo? Comente no Fórum do Mega Curioso