O leitor Kelvvy Fernando nos mandou uma mensagem perguntando por que os tratamentos quimioterápicos fazem os pacientes perderem seus cabelos. Infelizmente, esse é um dos efeitos colaterais mais conhecidos da quimioterapia, que é um dos meios mais eficientes de tratar alguns tipos de câncer.

A técnica surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, nos EUA, quando médicos começaram a usar gás de mostarda em pacientes que apresentavam problemas de sangue, com aumento dos glóbulos brancos e queda dos vermelhos.

O oncologista Dr. Auro Del Giglio, em entrevista ao Dr. Drauzio Varella, explicou que a quimioterapia age nas células do corpo que se reproduzem rapidamente, afinal é assim que tumores se formam. Acontece que esses químicos acabam atacando outras células de reprodução acelerada, mesmo que elas não sejam cancerosas, e é esse o caso dos cabelos.

Efeitos colaterais

Reprodução

Por agirem nessas células que estão em constante divisão, os medicamentos presentes no tratamento quimioterápico geralmente causam efeitos colaterais como queda dos cabelos, surgimento de aftas, diarreia e diminuição das células sanguíneas.

No caso da perda de cabelo, os pacientes mais afetados são as mulheres, que nutrem uma conexão forte entre cabelos e autoestima. Por isso, no caso delas, é importante se preparar para a queda e, antes mesmo de ela acontecer, providenciar métodos alternativos, como lenços e perucas. Se necessário, é sempre válido buscar ajuda psicológica.

Atualmente, existem formas distintas de quimioterapia. Algumas fazem com que o paciente perca todos os pelos e cabelos do corpo, mas há quem faça quimioterapia e não tenha esse efeito colateral, embora apresente outros bastante desagradáveis, especialmente relacionados ao sistema digestório, como vômitos, enjoos e diarreia.

Ganho de peso

Reprodução

Giglio acrescenta que outro efeito bastante comum da quimioterapia é o aumento de peso – mulheres em tratamento contra o câncer de mama chegam a ganhar 1 kg por ciclo de quimioterapia, o que é também um aspecto que afeta diretamente a autoestima das pacientes, já que o cabelo volta a crescer normalmente depois do fim do tratamento, mas emagrecer não é algo tão simples.

Cada ciclo quimioterápico varia de acordo com a necessidade do paciente, podendo ser de uma semana, 21 dias ou 28 dias. Como o ganho de peso geralmente está relacionado à variação hormonal, muitos pacientes, especialmente as mulheres, são aconselhados a praticar exercícios físicos e a ter algumas alterações na dieta.

*Publicado em 02/08/2016