Uma mulher, identificada como "CG", foi encontrada inconsciente e levada às pressas para o hospital após ingerir 1 litro de molho de soja. Ela tinha 200 gramas de sal no sangue — cinco vezes a dose letal. A quantidade diária recomendada é de até 2,5 gramas.

Segundo Julio, seu marido, sua saúde já estava problemática: ela tinha perdido 25 quilos nas últimas 3 semanas. Durante 6 meses, ela se alimentou apenas de pão e peixe enlatado — o que causou um déficit de ferro e vitaminas. Ademais, ela havia sido internada com sinais de esquizofrenia aguda, alegando que o governo estava tentando envenená-la. Nesse período, CG encontrou um vídeo informando que beber molho de soja poderia purificar o corpo.

O Dr. Bernard, que tem um canal no YouTube onde aborda casos médicos extraordinários, afirmou que a limpeza é baseada em meias verdades. A parte real é que sódio atrai a água. Segundo o vídeo, o molho ficaria no cólon e a água com toxinas fluiria, purificando o organismo. Contudo, antes de chegar ao intestino e ao cólon, qualquer alimento passa pelo estômago. Assim, a alta concentração de sódio retirou a água de seus músculos e órgãos. Logo, seus vasos sanguíneos se encolheram, afetando os rins, o coração e o cérebro, que ficaram desidratados e sem oxigênio.

Os médicos bombearam água com glicose em seu sangue para diluir a enorme quantidade de sal. Isso pareceu funcionar nos três primeiros dias, enquanto a consciência de CG oscilava. Todavia, no quarto dia, ela não conseguia mais falar, engolir ou mover braços e pernas.

Ela tinha mielinólise pontina central, um distúrbio que ocorre quando as células nervosas não conseguem mais se comunicar adequadamente.

Ao beber 1 litro de molho de soja, o indivíduo normalmente vomitaria. Bernard acredita que CG possuía uma desordem autoimune em que ingerir glúten pode causar danos ao intestino delgado. Assim, todo o pão da dieta teria agravado a doença, causando seus delírios e, por consequência, sua morte.