É provável que você já tenha se deparado com a palavra “gaslighting” em alguma publicação na internet, assim como é possível também que muita gente ainda não saiba o que significa essa palavra. O verbete vem do filme “Gaslight” – no enredo, um homem tenta roubar a fortuna de sua esposa e faz com que ela seja considerada “louca” e internada em um sanatório. A palavra “gaslight” faz referência às lâmpadas de gás da casa do casal, que o homem programa para se ligarem e desligarem repetidamente.

Nesta publicação do Papo de Homem, Yashar Ali fala sobre o tema e aproveita para criar a versão brasileira da palavra: “gaslaitear”. Agora que você já conhece a origem do termo e entendeu que seu significado tem relação com um filme que aborda questões envolvendo abuso emocional, fica mais fácil, finalmente, entender: gaslighting é basicamente o que acontece quando um homem tenta desestabilizar uma mulher, fazendo-a acreditar que é “louca”, “insana”, “frágil demais”, “burra”, “exagerada”, “dramática”.

Mas como?

Cena de “Gaslight”.

Geralmente essas acusações são feitas por pessoas bem próximas à mulher: marido, namorado, pais, irmãos, amigos, chefes, colegas de trabalho. Acha que é “frescura”? Então imagine um homem chamando outro de “histérico”, “dramático”, “surtado” ou “sensível demais” durante uma discussão. Isso simplesmente não acontece – pelo menos não com tanta frequência. Esses adjetivos que tentam abalar a sanidade mental do outro são destinados às mulheres.

Como tendem a demorar a reconhecer que alguém de quem gostam e em quem confiam possa fazer algum tipo de violência contra elas, muitas mulheres passam muito tempo – quando não a vida inteira – sem perceber que seus argumentos são rebatidos sempre com a justifica de que ela “não bate bem da cabeça”. A seguir, aprenda a identificar tipos de gaslighting em situações diferentes:

1 – Em relacionamentos amorosos

Eis um exemplo: a mulher acredita, por algum motivo, que está sendo traída pelo namorado. Ele nega a situação e, quando ela começa a mostrar evidências, o cara simplesmente diz que isso são caraminholas da cabeça dela, que ela está “vendo muita série”, que “naquele dia eu realmente estava na casa da minha mãe” e que “ela só pode estar de TPM para falar tanta asneira”.

Ao criar memórias falsas, como quando o homem diz que em determinada data estava em um lugar, e não no motel com a outra, a namorada pode acabar acreditando, principalmente se não gostaria de colocar um ponto final no relacionamento. Ao ser chamada de “histérica”, “louca”, “chorona” e “dramática”, ela começa a questionar a própria postura e acaba envergonhada de si mesma.

Se faz sofrer, não é amor.

2 – No ambiente de trabalho

Imagine que, em uma reunião dentro de uma companhia com poucas funcionárias do sexo feminino, uma delas é extremamente competente no que faz, além de ser qualificada para o cargo que ocupa. Durante a reunião, ela se vê sem voz em meio às tantas vozes masculinas, que nem sequer a deixam falar e, se reclama disso, é chamada de “exagerada”, “chata”, “inconveniente” e, lógico, deve ouvir muito que “deve estar naqueles dias”.

Aqui cabe falar também do termo manterrupting, que significa “homens que interrompem”. A mulher começa a falar em uma reunião ou em uma palestra e, bingo: lá vem um homem interromper a fala dela. Misteriosamente, esse mesmo homem respeita o direito de fala dos coleguinhas que também usam o banheiro masculino.

Como assim uma mulher vai querer falar durante a reunião? Em que século estamos? 21?

Você acha que para por aí? Só que não: hoje nós temos também o bropriating, que nada mais é do que quando aquele cara “superlegal” leva o crédito por uma ideia que foi de uma mulher – vale lembrar, aqui, da famosa citação de Virginia Woolf, nascida em 1882 e que, ávida questionadora da questão da diferença de gêneros, disse que durante a maior parte da História, “anônimo foi uma mulher”. Dá para pensar bastante sobre isso.

E sabe aquele cidadão que fala com uma mulher como se ela fosse uma criança de três anos, explicando minuciosamente um conceito que ela entenderia muito bem se ele o dissesse normalmente? Nesse caso, estamos diante do mansplaining. O Think Olga tem uma publicação maravilhosa explicando tudo isso com muito mais detalhes, caso seja do seu interesse.

Fuja do homem que quer ser rei de tudo.

3 – Em relacionamentos com amigos

Vou usar um exemplo pessoal. Há pouco tempo, eu e mais quatro amigos homens estávamos em um bar. Um dos meninos tinha acabado de sair de um namoro longo e, em breve, viajaria sozinho. Um segundo amigo o aconselhou a tirar muitas fotos fingindo estar feliz para mostrar no Instagram e fazer ciúme à pessoa com quem tinha terminado. Posicionei-me contra essa postura, afinal a viagem tinha tudo para ser incrível e era uma oportunidade para que o amigo refletisse sobre a vida e postasse as fotos que quisesse, porém sem a intenção de afetar ninguém com isso – nem temos mais idade para esse comportamento, convenhamos.

O cara que deu o conselho começou a gritar comigo a ponto de as pessoas ao redor se sentirem incomodadas. Para tentar me desestabilizar emocionalmente, ele disse que eu deveria ser uma daquelas mulheres hipócritas que fala que não quer ter filho, mas que morre de vontade de ser mãe. Até hoje não entendo a relação entre uma coisa e outra, mas compreendi que, achando que me afetaria ao fazer essa afirmação, ele queria me calar, queria me impedir de continuar argumentando.

Não deixe que ninguém grite com você.

Havia outros três homens na discussão, e os três também acharam o conselho desse cara bastante ruim. Nenhum deles ouviu uma frase parecida com a que eu ouvi – aos gritos, que fique claro. Vale lembrar que nunca falei com esse cara sobre querer ou não ter filhos. Eis uma pessoa que não faço questão alguma de rever tão cedo nessa vida. Comigo ninguém grita.

Conheça mais sinais de gaslighting a seguir:

  •         Você é levada a acreditar que está inventando situações e problemas;
  •         Ainda que saiba que tem razão, você fica se sentindo culpada depois de uma discussão;
  •         Você acredita que é o motivo pelo qual o cara agiu com agressividade;
  •         Você começa a duvidar de suas próprias percepções, afinal a outra pessoa fala sempre que você está errada e/ou mentindo;
  •         O parceiro/amigo/colega de trabalho está sempre negando um comportamento que ele realmente teve;
  •         O parceiro se faz de magoado e diz que você acredita mais em seus amigos e familiares do que nele – a boa e velha chantagem emocional;
  •         O homem diz que você é histérica, chata, que não aceita “brincadeirinhas” ou que anda “muito nervosinha”;
  •         Assim como no caso do meu “amigo”, o homem acaba justificando sua violência verbal dizendo que estava muito bêbado e fica irritado quando bebe; ou que estava muito estressado. Ainda que estivesse bêbado ou estressado, você não tem nada a ver com isso;
  •         No fundo, você sente que há algo de errado em seu namoro ou na amizade que tem com determinada pessoa, mas tem dificuldades para identificar o que está errado;
  •         Você fica pensando se é uma amiga/namorada/esposa/mãe/funcionária/chefe boa o suficiente;
  •         Suas opiniões nunca são ouvidas ou, quando são, não são levadas a sério;
  •         Ainda que você se lembre de algo que ele disse ou fez, ele vai negar que tenha dito ou feito isso;

Como sair dessa situação?

Dá, sim, para sair dessa.

Se ler a descrição acima foi como ler a respeito da sua própria vida, é sinal de que algo não está certo. Relacionamentos recentes são mais fáceis de terminar, mas, quando a relação é mais longa, assim como a manipulação, talvez seja mais difícil. Se você tiver como, procure orientação psicológica. Depois de conhecer melhor a si mesma, você vai conseguir dizer “não” e vai entender que não é egoísmo – muito pelo contrário! – colocar seu bem-estar em primeiro lugar e não deixar que ninguém questione isso.

“É sempre muito difícil se livrar de condutas manipulativas, até porque os parceiros se adequam ao perfil do manipulador, são pessoas que são mais suscetíveis ao desejo do parceiro. Há uma idealização do outro, a vítima permite que o outro assuma o lugar do saber”, explicou a psicóloga Luciana Kotaka nesta publicação do Dicas de Mulher.

A minha analista, a quem agradeço imensamente sempre que posso, me aplaudiu quando contei a minha reação diante do cara do bar naquele dia – se essa situação acontecesse há uns dois anos, eu teria relevado tudo e abaixado a cabeça. Só houve a mudança de comportamento porque aprendi mais sobre o assunto e sobre mim mesma. A dica que fica é: se uma pessoa está tentando prejudicar seu lado emocional, afaste-se. Você deve estar, sempre, em primeiro lugar.

***

Você já passou por alguma situação de gaslighting? Comente no Fórum do Mega Curioso