Você já deve ter percebido que culturas diferentes têm costumes culinários completamente distintos. É por isso que você acha superbizarro que as pessoas na Rússia comam Kishka – que nada mais é do que pele e intestino de frango – e que japoneses curtam usar águas-vivas em suas receitas culinárias.

Alguns alimentos, porém, são consumidos em vários países, incluindo aqueles com culturas sem muita coisa em comum, como é o caso da China e do Brasil. A pipoca é tão amada pelos chineses quanto pelos brasileiros, e o que muda, nesse sentido, é a forma de preparo.

Se aqui você está acostumado com pacotinhos prontos para irem ao micro-ondas ou, ainda, saquinhos tradicionais, que trazem o grão para ser preparado em panela e fogão, vai ficar fascinado com o modo menos sutil usado pelos chineses.

Aparentemente, eles levam a sério o verbo “estourar” quando o assunto é pipoca. Os vídeos que você vai ver a seguir mostram dois processos mais rápidos para preparar o produto – e possivelmente, os mais perigosos também. Crianças, não tentem fazer o mesmo em casa: