No Natal de 2012, o pequeno Christian McPhilamy assistiu a um comercial de um hospital especializado em câncer infantil. O vídeo mostrava crianças que perderam o cabelo por conta do tratamento contra a doença.

Solidário, Christian tomou uma decisão: deixaria o cabelo crescer para poder doar para essas crianças. Durante mais de dois anos, ele sofreu bullying, foi chamado de “menina”, praticou esportes com o cabelo quase na cintura e até mesmo adultos olhavam para ele com desaprovação.

Gozações começaram quando o cabelo estava para baixo do queixo

Nada disso desanimou o menino. “Christian tem um coração muito grande”, explicou a mãe, Deeanna Thomas. Eles vivem em Melbourne, na Flórida (EUA), e dias atrás aconteceu a tão aguardada “coleta” das madeixas loiras do menino.

“Quando Christian coloca algo em sua mente, ele tem uma determinação incrível”, disse Deeanna. Christian tinha os cabelos curtinhos e espetados quando tomou a decisão solidária. Muitas das pessoas que criticavam a longa cabeleira do menino sequer sabiam qual era o motivo de ele ter a deixado crescer.

Quatro mechas de 25 cm puderam ser cortadas do cabelo do menino

Um homem, inclusive, pediu muitas desculpas quando soube dos planos de Christian. No dia do corte de cabelo, foram coletados quatro rabos-de-cavalo da cabeça do garoto, que serão entregues para entidades que fazem perucas e distribuem gratuitamente para pacientes em tratamento contra o câncer ou que perderam os próprios por outros motivos, como queimaduras.

“Minhas mãos tremiam. Meu coração parecia que ia explodir”, revelou o garoto. Cada mecha doada possui cerca de 25 centímetros de comprimento, que mudarão a vida de outras crianças devolvendo-lhes a autoestima.

Via Em Resumo.