A democracia ateniense sempre foi estudada como pioneira em conceitos que estão presentes até hoje em vários governos democráticos. Podemos aprender muito com os gregos, mas algumas coisas realmente ficaram na Antiguidade, por mais que tenham servido como inspiração para várias invenções modernas.

1. Votar levantando a mão

Você deve imaginar que não existiam urnas eletrônicas naquele tempo. De fato, os atenienses votavam depositando pedrinhas para indicar quais eram seus candidatos favoritos. No século 5, eles começaram a implementar também o clássico “levanta a mão quem for a favor disso!”

Mas o que revolucionou mesmo o sistema de votos foram as moedas de bronze, que eram usada apenas em alguns casos. Cada cidadão recebia duas dessas, sendo uma delas oca, que representava um voto contrário à proposta que estava em votação.

O formato das moedas tornava a diferença bem fácil de esconder, garantindo o voto secreto.

2. Ostracismo

Uma reunião anual com os cidadãos era feita para votar em quem seria banido da cidade. Isso porque os atenienses acreditavam que algumas pessoas poderiam subverter a democracia e tomar o poder.

A solução era votar para excluí-los da sociedade antes que isso acontecesse. Era necessário um mínimo de 6 mil votos para fazer isso com alguém e ela ficaria fora da cidade por uma década. Os nomes deles eram então escritos em fragmentos de cerâmica chamados de ostraka, termo que originou a palavra ostracismo.

3. Voto no grito

Deixemos Atenas de lado por um momento para falar de Esparta. Lá, as coisas eram um pouco, digamos… diferentes. Na verdade, o sistema espartano combinava bem com o povo que é mais conhecido por seus exércitos de soldados.

Para eleger seus representantes, eles utilizavam um método de voto na base do grito. Aristóteles chegou a classificar essa forma de eleição de “infantil”. Nela, os candidatos entravam em um recinto e eram recebidos com os gritos dos seus apoiadores. Quem conseguisse incentivar os gritos mais altos, de acordo com os contadores de votos, vencia.

4. Ser pago para votar

Os atenienses recebiam uma compensação financeira pelo tempo que gastavam para ir até os locais de votação. Era uma maneira de garantir a participação das pessoas pobres no processo democrático.

Claro que para os nossos padrões atuais, a democracia ateniense não vai parecer um grande exemplo de inclusão. Mulheres e estrangeiros, por exemplo, eram excluídos de quase todo o processo, sem poder participar dos júris ou ter um cargo na Assembleia. Pois é, algumas coisas estão melhor no passado.

*Publicado em 18/11/2016