Se você espera um dia viajar para um país repleto de pessoas felizes e receptivas, conhecer uma cultura diferente, rica em seus detalhes, experimentar pratos culinários deliciosos e mergulhar em uma cultura musical riquíssima, talvez esteja na hora de olhar para a Jamaica de maneira diferente. O Próxima Parada de hoje vai ajudar você a fazer essa viagem.

O país

Negril

Com pouco menos de 3 milhões de habitantes, a Jamaica é um país localizado na América Central, que fica no mar do caribe e se estende por aproximadamente11 mil km², encontrando-se ao sul de Cuba e ao oeste do Haiti e da República Dominicana. Considerando o horário de Brasília, a diferença de fuso do país com relação ao Brasil é de -4h. A moeda é o dólar jamaicano, e a capital do país é Kingston.

Por ter sido colonizado por espanhóis, que acabaram perdendo o domínio das terras para o Reino Unido – tornou-se independente em agosto de 1962 –, o idioma oficial é o inglês, e a prática política se dá com base em uma monarquia constitucional, tendo como representante política uma mulher, Portia Simpson-Miller, que foi a primeira a ocupar o cargo de Primeira Ministra no país.

A terceira maior ilha do Caribe é conhecida muitas vezes apenas por conta dos estereótipos que carrega – ou você ainda não pensou em maconha, rastafári e reggae? O fato é que ainda que esses estereótipos sejam apenas rótulos que, como todo rótulo, acaba mais limitando do que explicando, a cultura jamaicana tem, sim, a maconha, o rastafári e o raggae em sua composição, mas a extensão cultural do país vai muito além.

Turismo

Negril

Ir para a Jamaica significa conhecer um país com uma rica variedade de atrações turísticas. Se o visitante em questão for do tipo que gosta de fazer compras, melhor ainda, afinal a moeda do país é barata – se gasta, em média, entre R$ 0,30 e R$ 0,40 para comprar 1 dólar jamaicano.

Na capital Kingston os turistas são atraídos para o Coronation Market, local considerado ideal para quem busca comprar souvenires, quinquilharias em geral e até alimentos. Vale dizer que o tal mercadão é um aglomerado confuso de bancas e barracas de venda, então é bom ir sem a pretensão de encontrar um ambiente muito organizado.

A capital do país não é, no entanto, o lugar favorito dos turistas que vão para a Jamaica, justamente pela falta de segurança da região, e pela pouca quantidade de atrativos tipicamente turísticos. Agora se você é o tipo de pessoa que viaja sem fazer questão de conhecer os grandes cartões postais da região, andar por Kingston pode ser uma experiência e tanto.

Comércio jamaicano

A região central conta com muitas praças e monumentos históricos – além, é claro, do icônico museu construído em homenagem ao cantor Bob Marley, maior personalidade artística do país. Vale a pena também ir até a ilhota de Lime Cay, um lugar realmente paradisíaco, com areias claras que contrastam com o azul do mar e deixam o visual incrivelmente charmoso.

Agora se o seu negócio é passar um tempo relaxando em algum resort, recomendamos que você conheça Montego Bay, mais especialmente o Cockpit Country – região ótima para quem gosta de ter contato com a natureza; com diversas cachoeiras, cavernas e bosques.

Lime Cay

No quesito música, não deixe de conhecer Negril, uma cidade famosa por sua alegria e musicalidade, além, é claro, das praias encantadoras – sempre vale lembrar que estamos falando de águas caribenhas. É pelo porto de Negril, incluive, que muitos cruzeiros chegam ao país.

Já deu para perceber que um dos fortes do turismo na Jamaica é a natureza. Nesse sentido, a cidade de Ocho Rios é um atrativo quase obrigatório. Lá, visite a Baía do Descobrimento, o Rio Dunn e a Dolphin Cove – ótima pedida para quem sempre sonhou em nadar ao lado de golfinhos.

E pra comer e beber?

A Jamaica é um ótimo destino para quem gosta de comer carne. Por lá, é comum que as pessoas preparem churrascos diferentes dos tipicamente brasileiros, com carnes de porco e frango além das tradicionais carnes vermelhas – peça por jerk beef ou jerk chicken. As carnes vêm acompanhadas de um molho agridoce apimentado.

Arroz e feijão também é uma combinação que agrada aos jamaicanos. Então fique tranquilo, que se você viaja e sente falta do feijão brasileiro, na Jamaica não terá esse problema.

Bammy

Além dos churrascos variados, o jamaicano come muito peixe, e geralmente essa carne é preparada com base em receitas francesas, africanas e inglesas. Um petisco bastante tradicional é o meat patties, que é uma espécie de pastelzinho de carne.

Ainda mais tradicional é a torta bammy, feita de mandioca e cuja receita tem origem nos índios Taino, que habitavam o país antes da chegada dos colonizadores. No quesito alcoólico da coisa, se sobrepõem as bebidas feitas à base de rum e também as cervejas.

Outras curiosidades

  • O Movimento Rastafári não só não é considerado como religião como também não é a crença mais popular do país. Por questões de colonização, muitos jamaicanos são anglicanos. Ainda assim, vale ressaltar que o país tem grande diversidade religiosa;
  • O tempo é bastante quente na Jamaica, mas venta muito por lá também. É uma região conhecida pela ocorrência de ciclones;
  • Ainda que o inglês seja o idioma oficial, a pronúncia é bastante incomum, então mesmo que o visitante mande bem no inglês, é provável que ele tenha dificuldades de entender a pronúncia dos moradores do arquipélago;
  • Miss Mundo de 1993, a jamaicana Lisa Hanna é reconhecidamente uma mulher forte dentro da política do país. Formou-se em comunicação, tem um longo histórico de trabalhos voluntários e hoje ocupa o cargo de Ministra da Juventude e da Cultura;

Lisa Hanna, ao centro

  • O modelo “tradicional” de família não se aplica na Jamaica. Por lá, é extremamente comum que mães criem seus filhos sem a ajuda do pai – na verdade, acredita-se que oito a cada dez crianças sejam criadas e educadas apenas por suas mães;
  • Ainda falando sobre as mulheres, é lá a maior taxa de igualdade no quesito força de trabalho – 46% das pessoas que trabalham no país são mulheres. Ainda assim, recebem menos do que os homens para exercer funções iguais;
  • Essa questão de diferença de gênero é lembrada pelas cantoras do país, que produzem músicas de protesto, como é o caso de Lady Saw;
  • Além de Bob Marley, outros músicos jamaicanos já conseguiram alcançar fama internacional – Peter Tosh e Jimmy Cliff são ótimos exemplos;

Bob Marley

  • Bob Marley se tornou o grande ícone do país – algo como o que é Ayrton Senna para o Brasil. Quando criança, o cantor, extremamente sensitivo, tinha o costume de fazer leitura de mãos;
  • A maconha é bastante popular no país. A planta é considerada de uso sagrado pelos rastafáris;
  • Ao contrário dos ingleses, que são mais reservados, os jamaicanos não economizam no contato corporal quando cumprimentam alguém e, por isso, há sempre longos abraços e apertos de mão;
  • Se tiver dinheiro, evite usar o transporte público e escolha o táxi. O funcionamento dos ônibus no país é realmente caótico e, além de tudo, é considerado não muito seguro.

***

E aí, você conhece ou tem vontade de conhecer a Jamaica? Acha que seria um bom lugar para a sua próxima viagem? Conte para a gente nos comentários!