Se perguntássemos para cada pessoa, qual seria o cheiro do planeta Terra, cada uma teria uma resposta diferente. Poderia ser o aroma do mar, das flores do quintal, do café fresquinho, do cheirinho de mato e até da poluição. Mas, cada planeta e corpo celeste pode ter um aroma característico em um local mais acima da superfície, na sua atmosfera.

Pensando nisso, os cientistas da NASA resolveram recriar em laboratório a fragrância característica da lua de Saturno, a Titã. Embora seja classificado como um artifício ficcional, os pesquisadores afirmaram ter desenvolvido um sistema semelhante a esse satélite natural e usado capturar os aromas dessa lua.

Vale ressaltar que Titã é o maior satélite natural de Saturno e o segundo maior de todo o Sistema Solar. Ele é 50% maior do que o tamanho da nossa Lua, sendo o único satélite conhecido por ter uma densa atmosfera.

Desenvolvendo o “perfume” de Titã

Daily MailImagem de Titã feita pela NASA

Ao replicar a atmosfera de Titã em um laboratório, os cientistas foram capazes de descobrir do que ela é formada e também perceberam que a técnica poderia ser usada para descobrir a composição de outros mundos também.

No experimento, os pesquisadores do Goddard Space Flight Center, da NASA, em Maryland (EUA), recriaram a atmosfera desse satélite natural com a mistura de diferentes gases pensados para tornar seu exterior nebuloso. Dois destes gases, o azoto e o metano, já eram previamente conhecidos, mas o terceiro componente que foi detectado era um mistério.

Através de um método de tentativa e erro, eles finalmente encontraram suas melhores maneiras de imitar a atmosfera quando lhes ocorreu que o terceiro gás seria o benzeno. Pode se dizer que o processo utilizou um esquema parecido de quando um chef de cozinha prova um prato e adivinha quais ingredientes foram utilizados na receita.

Cheirinho doce

O benzeno é conhecido como um hidrocarboneto aromático, sendo um composto de cheiro adocicado. No entanto, os pesquisadores advertiram que devido à pressão imensa da superfície de Titã, as pessoas teriam dificuldade em sentir o seu cheiro na superfície.

"Agora podemos dizer que este material tem um caráter aromático forte, o que nos ajuda a entender mais sobre a complexa mistura de moléculas que compõe neblina de Titã", disse Melissa Trainer, cientista planetária no Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Maryland.

Sonda Cassini

“A composição química de Titã é um verdadeiro zoológico de moléculas complexas. Com a combinação de experiências em laboratório e os dados da Cassini, ganhamos uma compreensão do quão complexa e maravilhosa esta lua, parecida com a Terra, realmente é", acrescentou Scott Edgington, Cientista Adjunto do Projeto Cassini, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, na Califórnia.

A sonda Cassini da NASA orbita Saturno e suas luas desde primeiro de Julho de 2004. A sonda tem sido um enorme sucesso, revelando segredos incalculáveis do sistema de Saturno, incluindo oceanos líquidos na superfície de Titã, grandes tempestades em Saturno e gêiseres no gelo lua Enceladus.