Ao contrário do que os contos de fadas poderiam insinuar, as maiores batalhas de um relacionamento amoroso não são aquelas que acontecem antes de os pombinhos viverem “felizes para sempre”. Inícios de relacionamentos são repletos de adrenalina e empolgação, na maioria das vezes, mas o difícil mesmo é manter a relação e torná-la saudável com o passar dos anos.

Para o psicólogo John Kim, que trabalha como terapeuta de casal e já acompanhou mais de mil casais ao longo de sua carreira, são muitos os fatores que fazem com que duas pessoas fiquem juntas por muito tempo e, mais do que isso, sejam felizes e vivam apaixonadas.

Enquanto muita gente acreditaria que o segredo para uma vida feliz em casal está na honestidade ou, quem sabe, em uma boa comunicação entre os dois, ou até mesmo em uma excelente química entre quatro paredes, Kim nos alerta que, na verdade, a resposta para essa questão está em uma palavra só: respeito.

Fundamental

A importância do respeito e do que ele significa é mais facilmente percebida por aqueles que já estiveram em um relacionamento pautado na falta dele – essas pessoas sabem o quanto isso pode ser destrutivo de muitas formas.

Precisamos entender que, quando o assunto é manter um relacionamento de fato bom, o respeito não é uma opção – é uma regra. Para Kim, infelizmente as pessoas não valorizam o respeito da maneira que deveriam, especialmente nos dias de hoje.

Ele nos explica que é tendo o respeito como ponto de partida que conseguimos conquistar confiança, criar um espaço seguro dentro da relação e, assim, caminhar para uma vida a dois feliz e saudável.

Mas como?

Por respeito, Kim nos explica que isso se trata da consciência de que nenhum dos envolvidos tem poder ou autoridade sobre o outro. Significa que as pessoas entendem que não precisam sempre concordar com o que o outro diz para demonstrar amor e que, discordando, podem fazer isso de maneira inteligente, sem criar conflitos.

Respeitar alguém é dar a essa pessoa o espaço de que ela precisa para ter suas próprias opiniões e seus próprios julgamentos. Não se trata de controlar, ser coercitivo, julgar nem impor nada.

Se você vive em uma relação que parece não ter respeito em algum aspecto, busque conversar com a pessoa e ver se é possível mudar o quadro. Se a falta de respeito se apresenta de maneira violenta, no entanto, com agressões físicas ou psicológicas, o jeito é terminar e denunciar – disque 180.

É preciso entender também que nem sempre se pode fazer com que uma pessoa mude, e que você não deve mudar seus próprios valores só para agradar seu parceiro. Uma coisa é construir uma vida juntos, outra bem diferente é permitir que essa construção acabe com a sua identidade como ser humano. Só se ama alguém de verdade quando o amor-próprio também está presente.