Quem nunca colocou os pés no painel durante uma viagem de carro — ou testemunhou algum passageiro fazer isso (possivelmente), para o desgosto do motorista? Pois, depois de saber o que aconteceu com uma moça norte-americana que tinha esse costume, é bastante provável que essa se torne uma prática terminantemente proibida!

Segundo Erin Marquis, do site Jalopnik, o caso ocorreu em Georgia com uma jovem chamada Audra Tatum. Ela estava no banco do carona com um dos pés no painel — e, para piorar, sem usar o cinto de segurança — durante uma viagem com a família, quando o veículo se envolveu em um acidente. O carro entrou na traseira de outro em um cruzamento, e a batida em si não foi especialmente grave. Veja como ficou o automóvel depois de bater:

O estrago foi grande, mas espere até saber o que aconteceu com a passageira!

No entanto... O impacto acionou os airbags do veículo — e você conhece os pormenores do funcionamento desses dispositivos? De acordo com Erin, a tecnologia para desenvolver esses equipamentos de segurança foi baseada nas unidades de ar comprimido usadas na Segunda Guerra Mundial para o lançamento de torpedos, isto é, quando eles são ativados, eles se inflam com uma força imensa.

Além disso, para que os airbags funcionem como deveriam, em caso de colisão, eles devem ser mais rápidos do que o movimento do corpo do passageiro para, você sabe, evitar que a pessoa colida contra painel, para-brisas, bancos etc. nos milissegundos seguintes a uma batida. Isso significa que esses dispositivos devem ser mais rápidos do que a velocidade com que o automóvel está se deslocando no momento do acidente.

Estrago

Voltando ao caso da norte-americana, quando o carro em que ela estava bateu, ele viajava a pouco mais de 70 quilômetros por hora. Então, quando o airbag do passageiro foi acionado, o pé dela foi lançado contra o seu rosto a essa velocidade e com uma força enorme — provocando fraturas nos ossos dos ombros e da face de Audra.

Audra estava viajando em uma posição semelhante

Mas isso não foi tudo: o movimento brusco ainda fez com que o fêmur da jovem sofresse fraturas em quatro lugares. Segundo os paramédicos que atenderam a moça, se Audra não tivesse apoiado o pé no painel, ela teria saído do acidente caminhando e sem sofrer ferimentos (mesmo estando sem o cinto, nesse caso específico).

Contudo, os médicos tiveram que colocar seis pinos e uma haste para corrigir a fratura na perna da norte-americana. E tudo isso porque ela ainda foi protegida pelo airbag! Sem ele, os ferimentos podiam ter sido piores. Então, já sabe, né, caro leitor? Nada de colocar os pés para cima quando for andar de carro.