Às vezes, ficamos tão focados em problemas do cotidiano e nas más notícias que nem nos damos conta de coisas boas que estão surgindo por aí. No entanto, ao mesmo tempo que existem mil questões desagradáveis rolando pelo mundo, também tem muita gente se esforçando e trabalhando duro para tornar as nossas vidas melhores.

Aliás, apesar de apenas termos passado da metade do ano, a Ciência já conquistou diversos avanços importantes — conforme apontou Fiona MacDonald, do site Science Alert, em um animador artigo. Pois nós do Mega Curioso selecionamos 5 deles relacionados com a área da saúde que você pode conferir a seguir:

1 – Novos tratamentos

De acordo com as estimativas, uma em cada 160 crianças nasce com algum tipo de desordem do espectro autista. Pois, segundo Fiona, em maio deste ano, um grupo de pesquisadores anunciou que, durante ensaios clínicos realizados com um medicamento chamado suramina — desenvolvido há cerca de 100 anos para o tratamento de infecções parasitárias e da doença do sono —, eles conseguiram diminuir os sintomas da desordem de forma mensurável.

O estudo foi pequeno, mas os resultados são promissores

É importante destacar que o ensaio — conduzido por pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, nos EUA — foi pequeno e envolveu a participação de apenas 10 meninos com idades entre os 5 e os 14 anos diagnosticados com desordem do espectro autista. Entretanto, os resultados, embora obtidos a partir de uma amostragem tão reduzida, são promissores e podem ajudar no desenvolvimento de medicamentos para o tratamento dessas condições.

2 – Feito inédito

Segundo Fiona, um time de pesquisadores dos EUA anunciou ter conseguido reverter os danos cerebrais sofridos por uma menina de 2 anos de idade que se afogou em uma piscina. Os médicos ressuscitaram a criança 2 horas depois de o seu coração parar de bater voluntariamente, e exames posteriores mostraram que, devido à falta de oxigênio no cérebro, o órgão acabou sofrendo atrofia e sérios danos na massa cinzenta.

Esta e a primeira vez que médicos conseguem reverter lesões cerebrais desse tipo

Como resultado das lesões, a garotinha perdeu a habilidade de falar, caminhar e responder quando alguém conversava com ela. Além disso, outra sequela foi o surgimento de movimentos involuntários do rosto e da cabeça.

O quadro foi revertido significativamente por meio de um tratamento intensivo com câmaras hiperbáricas. Durante as terapias, a criança era submetida a sessões nas quais seu organismo era exposto a concentrações de oxigênio mais altas que o normal, o que fazia com que o seu sangue transportasse mais desse elemento temporariamente, promovendo a recuperação dos tecidos.

3 – Possibilidades

Em meados da semana passada, pesquisadores do MIT — Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA — anunciaram uma descoberta que pode mudar dramaticamente a vida de quem convive com doentes ou sofre de Alzheimer.

O resultado da descoberta é bastante animador

Segundo Fiona, os cientistas identificaram uma proteína que age sobre uma enzima que interfere diretamente no processo de formação de memórias em pessoas que padecem com o mal e acreditam que um dia será possível criar tratamentos focados nesses dois agentes e reverter a perda de memória de doentes de Alzheimer.

4 – Novas armas

Você já deve ter ouvido por aí a respeito da crescente preocupação com relação ao aumento da resistência de alguns organismos à ação dos antibióticos, certo? De acordo com Fiona, na realidade, a coisa é bastante séria, tanto que a Organização das Nações Unidas considera o problema um risco à saúde global, e especialistas estimaram que, até 2050, anualmente cerca de 10 milhões de pessoas poderão morrer por conta da resistência aos medicamentos.

Guerra travada contra as superbactérias

A batalha contra as superbactérias e outros patógenos está longe de ser vencida, mas, no início deste ano, pesquisadores revelaram o desenvolvimento de uma molécula capaz de reverter a resistência a antibióticos em diversos tipos de organismos — um avanço e tanto! Outra novidade foi um método “ninja” criado por uma cientista australiana que consiste em um polímero no formato de uma estrela e que é capaz de estraçalhar seis cepas diferentes de superbactérias e sem o emprego de qualquer tipo de fármaco.

5 – Erradicação de doenças

A varíola, doença infectocontagiosa que vitimou quase 500 milhões de pessoas só no século 20, foi a primeira doença erradicada pelo homem no mundo, com sua eliminação anunciada pela Organização Mundial da Saúde em 1980. E, segundo Fiona, outro problema bastante sério também pode estar com os dias contados: a pólio.

Em breve venceremos!

Desde o lançamento de uma iniciativa global de erradicação da pólio em 1988, a incidência da doença no mundo caiu em 99,9%, graças às campanhas de vacinação. Em 2016, foram registrados apenas 37 casos de pólio selvagem no planeta e, em 2017, somente oito foram notificados.

Outro agente que está prestes a ser dizimado é um parasita conhecido como verme-da-guiné (Dracunculus medinensis), causador de uma doença chamada dracunculíase. Embora não seja tão mortal como o vírus da varíola ou grave como o da pólio, é um verdadeiro pesadelo para quem convive com ele.

A transmissão acontece a partir do consumo de água contaminada com as larvas do verme, e a pessoa infectada só vai mostrar os primeiros sintomas cerca de 1 ano após o contágio — quando uma dolorosa bolha se forma na pele, geralmente nos membros inferiores, e o verme eclode.

Há anos equipes de pesquisadores lutam contra a dracunculíase e, recentemente, foi desenvolvido um método simples e efetivo para driblar os vermes: uma espécie de canudinho com filtro que previne a contaminação através da água. A iniciativa está funcionando, visto que em 2015 havia apenas 126 casos registrados no mundo e, segundo levantamentos, em maio deste ano, restavam apenas cinco infectados conhecidos.