Você consegue se imaginar aprendendo alguma coisa enquanto pedala, dá uma corridinha na esteira ou faz aquela sessão esperta no elíptico? Haja coordenação, não é mesmo? No entanto, de acordo com Kelly Kasulis, do site Mic, um estudo recente apontou que enriquecer a mente enquanto cuidamos do corpo pode melhorar o aprendizado — pelo menos no que diz respeito ao aprendizado de novos idiomas.

Corpo e mente

Segundo Kelly, a pesquisa foi conduzida com um grupo de 40 chineses — homens e mulheres — que pretendem aprender inglês. Durante os experimentos, os cientistas dividiram o grupo em duas equipes e pediram que uma delas estudasse uma série de palavras projetadas em uma tela ao lado das figuras que elas representavam.

(Spangdahlem Air Base)

Ao outro grupo foi apresentada a mesma tarefa, mas os participantes tiveram que pedalar durante 20 minutos antes de iniciar a atividade — e mais 15 minutos enquanto aprendiam o novo vocabulário.

Os cientistas realizaram testes com os dois times após a finalização das aulas (calma, eles deram um tempinho para que o pessoal das bikes pudesse recuperar o fôlego!) e repetiram as sessões oito vezes ao longo de dois meses.

Resultados interessantes

As análises das “provas” apontaram que o grupo que pedalou enquanto estudava o novo vocabulário teve melhor desempenho do que o outro time nos testes realizados logo após as aulas. A turminha das bikes também se saiu melhor em reconhecer sentenças corretas entre incorretas do que os participantes “sedentários” — e, mesmo depois de passadas várias semanas do fim do experimento, os “ciclistas” mostraram ter retido melhor o que tinham aprendido em comparação ao outro grupo.

(Pixabay/valkovav)

Os resultados, como você viu, sugerem que a prática de exercícios durante o aprendizado (pelo menos de idiomas) pode melhorar a retenção dos alunos. Os cientistas não sabem dizer se o mesmo efeito seria obtido com outras formas de atividade física, como as de maior impacto, por exemplo. Além disso, eles concordam que simplesmente converter as salas de aula convencionais em aulas de spinning in English pode não ser muito prático — ou aceito em locais mais tradicionais.

Na verdade, os cientistas explicaram que, ao divulgar os resultados do estudo, não estão sugerindo que as escolas façam qualquer tipo de mudança. No entanto, a pesquisa aponta que algumas atividades curriculares poderiam ser combinadas com algum tipo de exercício — uma vez que simplesmente fazer com que os alunos permaneçam sentadinhos no lugar enquanto aulas e mais aulas são ministradas talvez não seja a melhor forma de aprender.