Já aconteceu com você de dividir o quarto com alguém e acordar assustado no meio da noite com essa pessoa conversando animadamente ou falando coisas sem sentido e incompreensíveis durante o sono? Esse comportamento recebe o nome de “sonilóquio” e, segundo os especialistas, se refere a um distúrbio benigno que ocorre com mais frequência na infância e entre homens.

Entretanto, de acordo com Christian Cotroneo, do site Mother Nature Network, os cientistas não sabem explicar muito bem o motivo de as pessoas falarem durante o sono — e dizem que, pelo menos tecnicamente, esse distúrbio não deveria acontecer, uma vez que, durante o sono, essa função deveria estar “desligada”. Mas existem teorias sobre o que desencadeia o falatório noturno...

Blá, blá, blá

Segundo Christian, durante o sono, quando sonhamos, os neurônios entram em atividade, e o cérebro envia uma porção de ordens ao nosso corpo, quase como acontece quando ainda estamos acordados.

Quem mais sofre é quem dorme com o tagarela

No entanto, como os músculos que funcionam de forma voluntária são “desativados” ao entrarmos na fase do sono conhecida como REM, o nosso corpo fica quietinho e em repouso. Aliás, esse mecanismo é superimportante, já que evita que a gente saia por aí realizando os mesmos movimentos que estaríamos fazendo nos nossos sonhos — e potencialmente coloque a própria vida em risco.

Contudo, pode acontecer de os músculos que se movimentam de forma voluntária não serem paralisados como deveriam. Então, segundo os cientistas, é aí que os dorminhocos podem apresentar o sonilóquio — assim como outros distúrbios do sono, como contrações, sonambulismo e terror noturno.

Se você é um desses tagarelas noturnos ou conhece alguém que apresenta esse quadro, não se preocupe, pois, conforme mencionamos no comecinho da matéria, falar durante o sono é um distúrbio benigno — e, no fundo, é mais incômodo mesmo para quem dorme junto ou divide o quarto com o dorminhoco falante.

Curiosidades

Apesar de o sonilóquio ser mais comum na infância — e geralmente desaparecer na puberdade —, cerca de 5% dos adultos continuam apresentando o quadro ao longo da vida. Os falatórios podem acontecer todas as noites ou apenas ocasionalmente, e alguns fatores podem contribuir para que ele aconteça na vida adulta, como o estresse, a falta de sono, a depressão e o abuso do álcool.

Não se preocupe!

De acordo com Christian, uma característica comum em quem apresenta o sonilóquio é o fato de o conteúdo das conversas não fazer muito sentido — isso quando o que é dito é inteligível. Ademais, não é raro que o tagarela fale com uma voz ou um sotaque diferente do normal ou soe como se estivesse bravo, feliz, triste etc., o que está relacionado com o sonho que a pessoa está tendo.

Outra coisa interessante (caso você fale enquanto dorme e se preocupe com o perigo de revelar um segredo) é que, pelo menos no EUA, as confissões que acontecem enquanto uma pessoa está dormindo não podem ser consideradas como provas legais em processos, uma vez que os especialistas entendem que o que é dito mão é o produto de uma mente racional ou consciente.

Por último, só uma curiosidade divertida: um dos dorminhocos mais tagarelas de que se tem registro é um compositor norte-americano chamado Dion McGregor. E como sabemos disso? O cara teve um companheiro de quarto que, de tanto ser acordado durante a noite com o falatório, resolveu passar o tempo gravando as conversas de Dion e compartilhá-las (são mais de 500!) em um site chamado “The Dream World of Dion McGregor (He Talks in His Sleep)” — ou “O Mundos dos Sonhos de Dion McGregor (Ele Fala Enquanto Dorme)”!