O livro “Portraits of Resilience”, de Daniel Jackon, professor do MIT, nasceu de uma observação séria sobre saúde mental: não só a depressão e os transtornos de ansiedade são cada vez mais comuns, como é muito maior o número de pessoas que cometem suicídio em decorrência dessas doenças.

No próprio MIT, uma pesquisa revelou que menos da metade dos alunos atendem aos critérios que indicam uma boa saúde mental. Jackon acredita que as ideias e experiências dessas pessoas podem ser de grande ajuda para todos nós, e a partir daí ele começou a fotografar algumas pessoas e anotar suas histórias em relação ao seu bem-estar mental.

Para o professor, foi uma grande surpresa perceber que as pessoas se voluntariaram a contar suas histórias e que, além disso, agiram com generosidade: “Algumas dessas histórias se fecham com traumas largamente superados, ansiedades silenciadas e o entorpecimento da depressão substituído por um novo entusiasmo pela vida. Algumas terminaram sem uma conclusão definitiva, em meio a uma luta contínua”, explicou ele, em declaração publicada no Metro. Conheça algumas delas a seguir:

1 – Emily Tang

Portraits of Resilience

“Eu sou mais legal comigo mesma agora, o que é uma grande coisa. Agora, eu me sinto menos boba por tirar um tempo egoísta para mim. Sou melhor em lutar contra o monstro da ansiedade. Eu sou melhor em vencer a depressão. Não sou perfeita, mas considerando o fato de que eu fui para metade das minhas aulas durante as três semanas em que eu estava depressiva no último semestre, acho que me saí bem. Se isso tivesse sido dois anos atrás, eu não teria ido para nenhuma. Eu teria apenas desaparecido do mapa.”

2 – Justin Bullock

Portraits of Resilience

“Em pouco tempo eu estava dormindo entre 13 e 16 horas por dia. Quando penso naquele tempo, o mais doloroso é que eu conseguia ver que os meus amigos estavam tentando me ajudar. Eles vinham até o meu quarto, e eu ficava apenas olhando para o computador e não olhava ou falava com eles. Eu apenas não conseguia. Eles saíam e eu queria que eles ficassem. Mas por que eles ficariam se eu não estava interagindo nada com eles?”

3 – Anita Hom

Portraits of Resilience

“O que você vê nas outras pessoas não é tudo. Você pode estar pensando que todo mundo à sua volta são equilibrados, mas na verdade eles não são. Você descobre isso sendo honesto e vulnerável. Eu costumava achar que o objetivo era ser perfeito e que todo mundo esperava que eu fosse perfeita. Eu não sinto isso mais. Posso fazer coisas que são erradas. Posso cometer erros e me sentir mal por causa deles e me desculpar. O ponto definitivamente não é ser perfeita. Esse não é o objetivo e não é humano.”

4 – Eva Breitenbach

Portraits of Resilience

“A parte realmente difícil era sentir que eu não conseguia me comunicar com as pessoas ao meu redor. Eu sou bastante quieta, mas eu tendo a sorrir bastante. Meu sorriso era mais como uma careta e não era reconhecível como um sorriso. Isso me tornou muito encanada, então no geral eu não expressava qualquer coisa, porque se meu rosto estava parado, você não conseguiria dizer que qualquer coisa estava acontecendo.”

5 – John Belcher

Portraits of Resilience

“O que eu não percebia era o quão importante é estar envolvido com as pessoas. Depressão acontece quando você fica preso dentro da sua cabeça. Você tem que sair da sua cabeça, porque lá é um lugar muito estranho. Se você está conectado com outras pessoas, isso permite que você ganhe mais perspectiva sobre seus problemas e se afaste das coisas que levam para essa espiral descendente. É um jeito muito melhor de viver.”

6 – Haley Cope

Portraits of Resilience

“Eu comecei escrevendo a história da minha vida e tentando entender o que aconteceu de errado. Minha intenção era escrever essa história e depois cometer suicídio. Mas eu não tinha terminado a história quando o tempo que eu tinha planejado chegou. O sentimento de não ter terminado alguma coisa é frequentemente o que me faz continuar.”

7 – Lydia Krasilnikova

Portraits of Resilience

“A mente é como o chão da floresta. Quanto mais você percorre os caminhos, mais profundo eles ficam, e fica mais fácil andar por eles de novo. Quando eu não estava bem, havia um caminho caindo na infelicidade, e quanto mais eu andava sobre ele, mais profundo esse caminho se tornava.”

8 – Samuel Jay Keyser

Portraits of Resilience

“Um médico foi até o meu quarto. Ele parou em frente ao pé da minha cama. Ele tinha uma prancheta, um estetoscópico, um grande crachá com seu nome, um jaleco branco e todos os acessos de autoridade e disse: ‘Senhor Keyser, sua operação foi um sucesso, mas eu sinto muito em dizer que você nunca mais vai andar de novo’. Quando ele me disse isso, o que eu falei dentro da minha cabeça foi ‘vá se f*#er!’. O que eu disse para ele foi ‘sinto muito por ouvir isso’.”

9 – Grace Taylor

Portraits of Resilience

“Ter essa experiência com a depressão me permitiu entender melhor que a vida é complicada, e aceitar isso melhor. Além do mais, quando as pessoas estão lidando com questões semelhantes, eu sempre fico hesitante em dizer ‘oh, você está deprimido’. Eu nunca quero entender que eles estão experimentando a minha experiência, mas eu certamente sinto como se eu fosse um deles.”

10 – Karen Hao

Portraits of Resilience

“A parte mais assustadora da minha depressão foi olhar para mim mesma no espelho e não reconhecer mais quem eu era.”

11 – Mary Tellers

Portraits of Resilience

“Você tem que acreditar que há uma luz no fim do túnel. Eu não tenho certeza de que isso é para todo mundo. O estresse pós-traumático não é uma coisa da qual as pessoas sempre conseguem sair, mas eu acreditei que podia, e isso talvez seja o porquê de eu estar tão bem agora. Eu posso não ficar ótima para sempre, mas, se em algum dia eu estiver no buraco negro de novo, tenho as ferramentas para sair dele.”