O mundo passa por uma fase em que mudanças climáticas extremas, redução dos recursos naturais e crises financeiras testam os limites da nossa própria sociedade. Um dos fatores que contribuem para esses problemas é o aumento do nível de consumo e a facilidade que a população tem de descartar seus bens.

Uma cultura mundial do consumo exagerado criou, há anos, tendências como o fast-fashion, por exemplo, no qual marcas introduzem peças novas a cada duas semanas nas lojas. O resultado disso é a aquisição exacerbada de roupas e outros objetos que acabam em lugares de doação. O problema é que, mesmo com peças sendo doadas, cerca de 84% delas são jogadas fora, o que gera quase 13 milhões de toneladas de lixo, apenas em têxteis, segundo estudo feito pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA).

Consumo desenfreado

Além do fast-fashion, o consumo de bens no dia a dia é incentivado pela idealização de que, quanto mais coisas possuirmos, melhor. Um clássico exemplo que rebate essa afirmação é o caso da furadeira citado por Rachel Botsman em seu TedTalk, The Case for Collaborative Consumption. Essa ferramenta é utilizada por uma pessoa, em média, cerca de 12 a 13 minutos em toda a sua vida, demonstrando que o compartilhamento de determinados bens seria mais sustentável para o planeta e, também, para os nossos bolsos.

Finalmente, olhando para os efeitos ambientais, o consumo de combustíveis fósseis ainda é uma ameaça e precisa ser diminuído o mais rápido possível. Segundo reportagem da PricewaterhouseCoopers, o nível de combustíveis fósseis precisa cair 6,5% ao ano para evitar um aumento de 2 graus Celsius na temperatura mundial. Esse incremento aceleraria o derretimento do Ártico e a elevação do nível dos mares, afetando  9 milhões de habitantes de áreas ameaçadas pela elevação do oceano — apenas no Brasil.

Apesar dos dados assustadores, existem soluções simples que podem ajudar a desacelerar esse processo e contribuir para um planeta mais sustentável. Uma delas é o uso de aplicativos criados com o propósito de incentivar um estilo de vida mais consciente e diminuir o impacto pessoal no ambiente.

Eles ajudam a população a se conscientizar sobre os impactos ambientais, demonstrando que pequenas mudanças em nossos hábitos são possíveis e capazes de fazer uma grande diferença para o bem comum. Confira uma lista dos top 5 aplicativos que incentivam um estilo de vida mais sustentável:

1 – Skina

O Skina nasceu com um propósito: aproximar compradores e vendedores. Sob o lema "Olhou pro lado, negócio fechado!", a ferramenta se destaca pelo uso da geolocalização e busca incentivar uma nova forma de consumo, reciclando bens e estreitando laços entre comunidades.

Criado em julho de 2015 e parte da OLX Brasil, o app foi eleito como um dos melhores aplicativos de 2016 pelo Google e, recentemente, passou a aceitar a venda por meio de cartão de crédito como forma de inovar e facilitar ainda mais as transações entre seus usuários. Hoje, já são mais de 5 milhões de downloads de pessoas que, mesmo sem saber, fazem parte de uma rede de colaboração e de um consumo mais consciente.

2 – Tem Açúcar

O Tem Açúcar é uma plataforma que facilita o compartilhamento de coisas entre vizinhos. O app busca estimular a colaboração, a camaradagem e o senso de comunidade. O objetivo da ferramenta é resgatar o hábito de bater na porta do vizinho para pedir uma xícara de açúcar — e o app dá uma mãozinha para que seja possível bater em várias portas em questão de minutos.

Pegar algo emprestado e emprestar suas coisas é uma ótima maneira de economizar dinheiro, agir de forma sustentável e quebrar o gelo na hora de conhecer os vizinhos — #ficaadica. Ah! E a ajuda é incondicional, uma vez que você não tem que dar nada em troca nem pagar por isso, tipo aquele ditado: gentileza gera gentileza.

3 – BlaBlaCar

Presente em 22 países e com mais de 40 milhões de usuários em todo o mundo, a BlaBlaCar conecta condutores que fazem viagens de longa distância a passageiros indo para o mesmo destino. Eles viajam juntos e dividem os custos do trajeto, e cada passageiro faz uma contribuição justa pelo seu assento, e o condutor não obtém lucro.

A plataforma é construída para criar uma comunidade segura e de confiança, com perfis que disponibilizam nome, foto, biografia, verificação de celular, email e identidade. Além disso, passageiros e condutores se avaliam mutuamente após a viagem, e os membros declaram no seu perfil se são ‘Bla’, ‘BlaBla’ ou ‘BlaBlaBla’, de acordo com sua disposição em conversar durante a viagem — daí o nome BlaBlaCar. Durante o primeiro ano no Brasil, os usuários compartilharam cerca de 1 milhão de assentos em viagens de longa distância.

4 – Roupa Livre

O Roupa Livre conecta iniciativas e pessoas que buscam uma relação mais consciente, carinhosa e cuidadosa com o que vestem. As fundadoras, Mariana Pellicari, Gabriela Mazepa e Elisa Dantas, se juntaram há 3 anos e criaram um movimento aberto para quem quer experimentar um novo olhar através de eventos, livros digitais, mapeamento de iniciativas, produção de conteúdos e muita mão na massa.

O aplicativo está baseado na seguinte proposta: a gente não precisa de roupas novas, mas sim de um novo olhar. As fundadoras ressaltam que já existem peças prontas para várias gerações neste mundo. Para fazer uma calça jeans, por exemplo, são usados 10 mil litros de água e, diariamente, toneladas de sobras de tecidos são descartadas. Sem falar que muitas pessoas são exploradas no processo de produção. Isso não quer dizer que é preciso deixar de se sentir bem e confortável com o que vestimos. Dá para ter estilo próprio sem prejudicar as pessoas e o planeta e criar uma nova relação com seu guarda-roupa.

5 – GoodPeople

Parte do grupo abeLLha, o GoodPeople é um app para conectar talentos e oportunidades complementares. Os usuários podem cadastrar seu perfil com os talentos que têm (sejam eles profissionais ou não) e também podem publicar os projetos que precisam de talentos complementares.

O GoodPeople foi criado em 2015, pelo sueco-carioca Maxim Kejzelman e pela paulistana Ana Julia Ghirello, e ganhou corpo em 2016, quando atingiu a marca de 5 mil usuários oferecendo seus talentos ou procurando alguém para tirar um projeto do papel. Gratuito para iOS e Android, o GoodPeople também oferece uma solução de grey label para empresas que queiram incentivar o intraempreendedorismo, ou seja, permitir que pessoas se juntem para criar alguma solução inovadora dentro da própria empresa.

*Via Assessoria