Tudo o que você sabia até agora a respeito do centro da Terra pode sofrer algumas alterações surpreendentes. Aparentemente, a temperatura do núcleo do nosso planeta já não é 5.000 °C, mas 6.000 °C, o que a torna tão quente quanto a superfície solar.

Essa descoberta foi possível porque alguns cientistas realizaram uma série de testes para calcular a real temperatura das profundezas da Terra. Se você está se perguntando como os caras conseguiram fazer esse tipo de cálculo, preste atenção.

O núcleo do nosso planeta é feito de ferro sólido cristalino, devido à imensa pressão sofrida nesse ambiente. Novos estudos sugerem que esse aspecto cristalino aumenta ainda mais a temperatura desse material.

Pesquisa

Fonte da imagem: Reprodução/Hypescience

Para descobrir a temperatura exata à qual o ferro está sujeito nesse tipo de ambiente, pesquisadores usaram raios X para explorar amostras mantidas em temperaturas extremamente altas, a fim de entender como um único cristal se forma nessas condições térmicas e de pressão.

O efeito da superpressão foi criado com a ajuda de uma estrutura conhecida como “bigorna de diamante”, cuja função é manter o cristal entre dois diamantes mecânicos sintéticos. Isso garante que a amostra sofra muita pressão enquanto os raios X são direcionados à mesma estrutura, em temperaturas superaltas, para que se possa observar o que ocorre enquanto o cristal transita entre os estados sólido e líquido.

E foi dessa maneira que se conseguiu calcular a temperatura do núcleo terrestre, sendo que os resultados empíricos foram confirmados por meio de cálculos feitos através de simuladores. O artigo completo, que detalha toda a pesquisa, foi publicado no portal Science Mag e pode ser lido na íntegra (em inglês) aqui.