1 – A Havana nem sempre esteve situada no local onde ela se encontra hoje. Quando foi fundada, no século 16, a cidade originalmente ficava em uma área pantanosa no litoral sul de Cuba, e foi transferida para a localidade atual, no litoral norte da ilha, alguns anos depois;

doyoucity

2 – Todas as noites às 9hrs em ponto, cerca de mil pessoas (entre turistas e residentes locais) se reúnem diante de La Forteleza de San Carlos de la Cabaña para assistir ao el cañonazo — uma cerimônia que começa 20 minutos antes com o desfile de uma guarda militar e culmina com o disparo de um canhão;

The Cuban History

3 – Um dos locais mais visitados da Havana é a Catedral de San Cristóbal. Localizada na parte antiga da cidade, a igreja foi projetada pelo italiano Francesco Borromini, conta com o exterior em estilo barroco e interior em estilo clássico, e foi construída pelos jesuítas no século 18;

Flickr/Andrzej Wrotek

4 – Outro local popular é o Hotel Nacional de Cuba. Construído por duas companhias norte-americanas, o estabelecimento (5 estrelas) tem influências dos estilos arquitetônicos neoclássico, Art Deco, neocolonial, hispano-mourisco e californiano, e mantém uma coleção de fotos de hóspedes famosos, como Walt Disney, Frank Sinatra, Arnold Schwarzenegger, Mohammed Ali e Steven Spielberg;

Wikimedia Commons

5 – Falando em hóspedes ilustres, Ernest Hemingway chegou a ficar durante sete anos no Hotel Ambos Mundos, mais precisamente, no quarto de número 511, onde ele escreveu o romance “Por Quem os Sinos Dobram” na década de 30;

Complot Magazine

6 – Hemingway também tinha preferências com respeito aos locais nos quais ele bebericava seus drinks. Uma plaquinha pendurada na La Bodeguita Del Medio traz a frase (supostamente escrita por ele) My mojito in La Bodeguita, My daiquiri in El Floridita — ou “Meu mojito em La Bodeguita, Meu daiquiri no El Floridita”, em tradução livre;

David Lansing

7 – Na parte antiga da cidade existe uma estátua de bronze que faz homenagem a um homem chamado José María Lledín que perambulava pelas ruas da Havana e se tornou incrivelmente popular. Ele acabou ficando conhecido como El Caballero de Paris — embora fosse espanhol, da Galícia — e hoje em dia, acredita-se que tocar a figura pode atrair a sorte. Aliás, dizem que esfregar a sua barba traz prosperidade e tocar seu dedo garante o retorno a Cuba;

Ketari en Nirudia

8 – Em 1964, Fidel Castro baniu as músicas dos Beatles em Cuba. Mas o coração do “El Presidente” deve ter amolecido, pois, no ano 2000, um parque em homenagem a Lennon foi inaugurado na Havana, e inclusive existe uma estátua do britânico por lá. Os óculos, por certo, são reais e costumavam ser roubados o tempo todo — até que um aposentado decidiu assumir o papel de guardião do acessório e só os põe no lugar quando os turistas se aproximam;

Mental_Floss

9 – Havana Club não é o nome de um clube pitoresco da cidade, mas sim do rum mais famoso de Cuba. A bebida inclusive tem um museu especialmente dedicado a ela, que fica na parte antiga da capital cubana em um casarão colonial do século 18. Os visitantes podem ver como é a produção, da construção dos barris de carvalho até o processo de destilação do rum – com direito a degustação no final!

Havana Club

10 – Veja que ironia: existe um café na Havana chamado Museo del Chocolate que, como você pode imaginar, inclui a delícia em quase todos os itens do cardápio. O endereço desse local? Calle Amargura — ou Rua Amargura;

Havana Tour Company

11 – Falando em gostosuras, um dos locais mais populares da Havana é a sorveteria Coppelia. Ela foi inaugurada pelo próprio Fidel Castro depois de ele provar todos os sabores de sorvete que foram enviados a ele — em 28 contêineres do Canadá. El Presidente decidiu montar uma fábrica com máquinas trazidas da Holanda e Suécia e, em 1966, Fidel abriu a sorveteria e colocou sua secretária particular, Cecilia Sanchez, para cuidar do negócio.

Bobby Rica

*Publicado em 30/3/2016