No Parque Nacional Jardines de La Reina – Jardins da Rainha, em espanhol; a área foi batizada assim por Cristóvão Colombo, em homenagem à rainha da Espanha, Isabel de Castela – se encontra o maior reduto virgem de vida marinha da costa cubana.

Sendo um dos quatro parques marinhos do país, o local é considerado o mais bem preservado arquipélago do Caribe, o que atrai para a região diversos praticantes de mergulho e adeptos de pesca desportiva. O mexicano Ricardo Castillo, de 39 anos, se encaixa no primeiro grupo, e estava nadando pelos mangues da área para tentar registrar algumas imagens de tubarões, muito comuns por lá.

O que ele encontrou, no entanto, foi um jardim repleto de crocodilos-de-água-salgada, maiores répteis do mundo. Esses animais são considerados extremamente perigosos quando estão em seu ambiente natural, que dividem com os tubarões da região. Tudo o que Castillo tinha para se defender das criaturas era a sua câmera à prova d’água e seus anos de experiência nadando com outras criaturas perigosas.

De frente para as feras

Podendo medir até sete metros de comprimento e pesar uma tonelada e meia, sua mordida pode esmagar a cabeça de um bovídeo adulto. Segundo o mergulhador, os répteis costumam circular pela área quando ouvem barcos navegando, porque alguns pescadores limpam os peixes que capturam nas águas próximas aos mangues.

Castillo ficou tão próximo de um crocodilo que o animal chegou a encostar os dentes na lente de sua câmera. O resultado de sua audácia são as imagens que você confere na galeria que abre esta matéria. Uma dica que o mexicano dá para quem quiser se arriscar a nadar com essas criaturas mortíferas é sempre se manter à frente ou atrás deles, e nunca do lado, para evitar um ataque inesperado.

Para o fotógrafo, os que acham uma loucura nadar com tubarões, crocodilos ou outras criaturas perigosas precisam entender que não se trata de coragem ou bravura, mas de conhecimento e experiência. E mais importante, de saber quando é a hora de sair da água em segurança.

Via Em Resumo.