Um prédio em formato de pirâmide — com 105 andares e mais de 300 metros de altura, localizado em Pyongyang, capital da Coreia da Norte — tinha tudo para ser um dos hotéis mais luxuosos do mundo. No entanto, a edificação erguida em 1987 nunca recebeu um hóspede sequer e, para piorar, ganhou o título de hotel “maldito”.

(Fonte: Wikimedia Commons/Timur/Reprodução)

Planejado para ser uma das joias da arquitetura da capital norte-coreana, o Hotel Ryugyong custou US$ 2,5 bilhões, mas nenhum dos seus 3 mil quartos foi ocupado até hoje. Nem mesmo os 8 restaurantes com vista panorâmica chegaram a funcionar, assim como seus cassinos e boates.

Considerado um dos 50 prédios mais altos do mundo (ele tem 330 metros de altura), o hotel maldito da Coreia do Norte detém outros recordes: é o prédio abandonado mais alto do mundo e está há 32 anos sem receber clientes.

Os motivos para a ruína do hotel

Erguido na época em que o governante era Kim Il-sung, avô do atual ditador da Coreia do Norte, o Ryugyong Hotel tinha previsão de inauguração para 1989, recebendo um evento com participação de milhares de pessoas — o Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes. No entanto, os gastos do governo em outras obras atrasaram a finalização da construção.

O que também dificultou a finalização foi a queda do socialismo, representada pela derrubada do Muro de Berlim e pelo fim da União Soviética (URSS). Sem a ajuda de Moscou e outros aliados, a Coreia do Norte não teve mais como investir no hotel.

A retomada das obras

As obras do gigantesco hotel de Pyongyang foram retomadas em 2008 por uma empresa egípcia de telecomunicações, que investiu US$ 400 milhões para finalizar a construção. Mesmo pronto desde 2011 e com uma nova fachada espelhada, ele continua a ser um hotel-fantasma.

(Fonte: Wikimedia Commons/Martin Cígler/Reprodução)

Em 2018, ele recebeu uma decoração com 100 mil lâmpadas de LED, a mando de King Jong-un, e passou a mostrar a bandeira do país na fachada, além de propagandas. O líder do país já afirmou que pretende inaugurá-lo até janeiro de 2020, mas até lá será preciso instalar o sistema de eletricidade no hotel.