Plutão, o planeta-anão que até alguns anos atrás fazia parte do time de mundos que compõem o Sistema Solar, se encontra muito, muito longe da Terra. Mais precisamente, ele se situa em uma região chamada Cinturão de Kuiper, a 5,9 bilhões de quilômetros de distância do Sol — e entre 4,8 e 7,5 bilhões de quilômetros de distância de nós, dependendo de sua órbita. Longe mesmo!

Pois, como você deve saber, no ano passado a sonda espacial New Horizons chegou até Plutão e fez um sobrevoo sobre a sua superfície em julho do ano passado. O vídeo a que você pode assistir a seguir foi criado pelo pessoal da NASA a partir de mais de 100 imagens registradas pela sonda, as quais foram capturadas por meio das câmeras telescópicas presentes no equipamento ao longo de seis semanas, enquanto ele fazia a sua aproximação e o sobrevoo no planeta-anão.

Como seria?

Como você viu acima, o filminho mostra uma aproximação gradual da sonda espacial e, aos poucos, Plutão e sua maior lua, Charon, vão se tornando cada vez mais visíveis na tela. Então, a nave não tripulada inicia a sua passagem sobre a superfície do planetinha, finalmente “pousando” a imagem nos limites de uma área conhecida pelos astrônomos como Sputnik Planum.

Charon, o maior dos satélites de Plutão

Segundo o pessoal da NASA, a New Horizons levou mais de nove anos para percorrer os quase 5 bilhões de quilômetros que nos separam de Plutão para chegar até ele. Uma vez lá, a sonda espacial se aproximou 12,5 mil quilômetros da superfície do planeta-anão e, com suas poderosas câmeras — capazes de identificar feições menores do que um campo de futebol —, capturou centenas de imagens do astro e de suas luas.

Ainda de acordo com a NASA, para criar o vídeo — e transmitir a sensação de que realmente estamos prestes a aterrissar em Plutão —, os cientistas enfrentaram alguns desafios. Eles tiveram que interpolar alguns dos quadros com base no que os astrônomos sabem a respeito da aparência do planeta-anão para tornar a aproximação o mais natural e fluida possível.