Um asteroide com 2,7 quilômetros de extensão deve se aproximar da órbita da Terra no dia 31 de maio. De acordo com a NASA, o corpo não oferece qualquer risco para a Terra ou para a Lua, já que passará a uma distância de 5,7 milhões de quilômetros da superfície terrestre.

Entretanto, o 1998 QE2 (nome baseado na época em que foi descoberto) terá a sua aproximação recorde na ocasião, algo que não deve se repetir em 200 anos. Isso trará uma oportunidade importante para que os astrônomos possam estudar o corpo celeste.

“Sempre que um asteroide se aproxima tanto, há uma oportunidade científica única para estudá-lo em detalhes, incluindo o seu tamamanho, forma, rotação, características da superfície e o que ele pode nos dizer sobre a sua origem”, afirmou o astrônomo do Jet Propulsion Laboratory, da NASA, Lance Benner, em comunicado oficial.

Benner reforça que os dados levantados durante as observações podem servir para instrumentalizar a previsão de ocorrências potencialmente catastróficas — como o meteorito que despencou sobre a Rússia no início deste ano. Ao amadores, entretanto, fica o lembrete: o 1998 QE2 não poderá ser visto a olho nu — de maneira que o negócio é esperar pelos registros da NASA.