Em 2007, um satélite registrou imagens das estepes do Cazaquistão, revelando uma série de símbolos feitos com a utilização de montes de terra. Arqueologistas do mundo inteiro voltaram sua atenção para descobrir a origem dos gigantescos geoglifos, mas, até agora, ninguém sabe explicar ao certo como eles surgiram.

Foi por isso que a NASA resolveu, recentemente, tirar novas fotos das figuras – mas admitiu também que os cientistas não avançaram muito na solução do mistério. Por enquanto, o que se sabe é que elas foram feitas há mais ou menos 8 mil anos.

Os geoglifos são dispostos em diversas formas, como quadrados, linhas, anéis e uma mais elaborada, que parece ser uma suástica rudimentar, com "braços" que se entrelaçam em sentido anti-horário.

Descoberta feita pelo Google Earth

Os quase 260 símbolos foram encontrados por Dmitriy Dey, economista e entusiasta de arqueologia, através do aplicativo Google Earth. O interesse surgiu depois que ele viu um documentário falando sobre pirâmides e tumbas. "Existem pirâmides no mundo todo, deve haver alguma no Cazaquistão também", pensou.

Foi aí que a busca começou, e, em vez de estruturas antigas altas, Dey encontrou as enormes figuras nas estepes do país. A maior delas, um imenso quadrado cruzado por duas linhas diagonais, o Ushtogay Square, foi feita com 101 montes de terra e cobre uma área de quase 2 quilômetros. A princípio, o entusiasta achou que se tratava dos resquícios de uma base militar soviética, mas acabou encontrando os demais símbolos.

Dey especula que algumas estruturas foram construídas para estudar o movimento do sol, como se fossem observatórios horizontais, já que é difícil acreditar que as civilizações de 8 mil anos atrás tivessem acesso a algum meio de ver a Terra pelo ar.

Nesse período, o Cazaquistão era habitado por tribos nômades – e os pesquisadores acreditam que elas não eram tão sofisticadas assim para elaborar os grandes símbolos, por isso a origem deles ainda é desconhecida.

No início, muitos pesquisadores acharam que se tratava de mais um hoax criado na internet – e foi esse o principal motivo para que as investigações a respeito da origem das figuras demorassem para acontecer. No entanto, agora foi a NASA que resolveu se comprometer com causa, após anunciar sua participação nos estudos há duas semanas.

A agência especial norte-americana divulgou imagens nítidas das figuras, o que pode mobilizar mais pesquisadores e arqueologistas para ajudar na solução do mistério. Outro esforço imenso está sendo feito junto à UNESCO para preservar a região onde estão os geoglifos.

Um deles, inclusive, já foi substancialmente danificado em função da construção de uma rodovia, mostrando que a proteção não é apenas um capricho, e sim uma necessidade.

O princípio da sociedade civilizada?

Segundo Persis Clarkson, arqueologista da Universidade de Winnipeg, as descobertas relacionadas aos símbolos do Cazaquistão podem fazer com que a comunidade tenha que repensar a forma como são encarados o progresso e a natureza das organizações humanas como uma sociedade civilizada.

Não há qualquer indício, no entanto, que suporte a teoria dos observatórios horizontais, então existe a possibilidade de que os símbolos pudessem ser utilizados como forma de arte, comunicação ou até mesmo como parte de algum ritual.

Ciente da importância histórica dos geoglifos, a NASA está utilizando o DigitalGlobe, um satélite de um de seus parceiros, para fazer registros mais detalhados das estruturas. Os astronautas que estão a bordo da Estação Espacial Internacional também foram instruídos a tirar fotos da região.

Com o crescente interesse na região, é de se esperar que mais informações surjam em breve. Até lá, você pode conferir uma apresentação (em inglês) feita por Dimitriy Dey falando um pouco mais sobre as figuras.