Independente da nossa vontade, todos os dias sentimos os efeitos da rotação da Terra. O nascer do Sol a cada manhã mostra que o Universo está em constante movimento, desde que nosso planeta se formou até o fim dos tempos – para nós –, quando o Sol se tornar uma gigante vermelha e engolir tudo ao seu redor. Mas como essa rotação se iniciou?

Sempre em movimento

Os planetas do Sistema Solar se formaram a partir de um disco de gás e poeira, que um dia existiu ao redor do recém-nascido Sol. Por menores que fossem, esses elementos já possuíam um movimento desordenado e, com o tempo, começaram a se juntar para dar origem aos planetas que conhecemos.

“À medida que o material se concentrava e os futuros planetas iam surgindo, as rochas espaciais passaram a colidir com os planetas em desenvolvimento, exercendo forças que o fizeram girar”, explicou o astrofísico da Universidade da Califórnia, Smadar Naoz. A maior parte do material existente no início do Sistema Solar se movia ao redor do Sol na mesma direção, fazendo com que as colisões fossem semelhantes e, dessa forma, a maioria dos planetas formados girassem da mesma forma no futuro.

O início de tudo

Mas a pergunta permanece: por que esse disco de gás e poeira girava ao redor do Sol? Nosso sistema planetário começou sua formação quando uma nuvem de poeira e gás – novamente ela – entrou em colapso por sua própria massa. A maior parte do gás se tornou o que hoje conhecemos como o Sol, mas a poeira se manteve ao redor dele como um disco.

Antes de começarem a entrar em colapso, para a posterior formação dos planetas, as partículas se moviam em direções distintas, mas em certo ponto elementos maiores começaram a se formar, determinando uma direção de rotação específica. Isso fez com que a velocidade de rotação aumentasse, da mesma forma que um patinador recolhe os braços quando quer aumentar a velocidade de seu movimento.

Como o espaço sideral não oferece resistência, quando algo começa a se mover dificilmente será impedido. Apesar disso, alguns planetas apresentam uma rotação diferente dos demais, e os cientistas possuem algumas explicações para isso.

Ovelhas negras espaciais

Vênus é quem nada diretamente contra a corrente do Sistema Solar, girando de forma oposta à Terra. Alguns pesquisadores acreditam que uma grande colisão inverteu o sentido de rotação, mas outra teoria diz que, com o tempo, o rebote gravitacional do Sol nas nuvens espessas do planeta, combinado com a fricção entre o núcleo e o manto dele, fez a direção da rotação ser alterada.

Já Urano não se contentou em girar ao contrário; acabou ficando com seu eixo de rotação inclinado em 90°. A causa mais provável, considerando a posição incomum, foi o choque de um grande objeto com o planeta em algum momento da sua existência.

Nem só de velocidade se faz um Universo

Apesar das pequenas alterações de sentido, tudo no espaço está girando em alguma direção. Asteroides, estrelas e galáxias, tudo está em constante movimento. Alguns corpos celestes, como os pulsares, são conhecidos pela rotação em níveis intergaláticos, com o mais rápido já registrado possuindo o diâmetro de uma cidade e girando a incríveis 716 vezes por segundo. Ainda bem que ele está bem longe de nós.

Da mesma forma que existe aceleração, os corpos celestes também cansam com o tempo. Por exemplo, na época de sua formação, o Sol girava 1 vez ao redor de seu próprio eixo a cada 4 dias, mas atualmente ele leva cerca de 25 dias para realizar o mesmo movimento.

Até mesmo a Terra sofre esse efeito, por influência da gravidade lunar. Uma análise, publicada em 2016, verificou dados de eclipses que aconteceram na Antiguidade e constatou que a rotação terrestre fica 1,78 milissegundo mais lenta a cada século. O valor é imperceptível para nós, já que raramente chegamos a viver tanto assim, mas é interessante saber que mesmo corpos celestes da magnitude de planetas sofrem com a ação do tempo.

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!