A popularidade das aulas de física no colégio nem sempre é das maiores. Apesar do assunto ser considerado complicado por muita gente, quando os conhecimentos adquiridos são aplicados no mundo real, é possível entender melhor o nosso dia a dia.

Não existe complexidade alguma em subir em uma balança — situação que muda caso ela não mostre o que você esperava — mas a padronização de unidades e o desenvolvimento de um equipamento capaz de realizar essa medição mostram a importância da física em nossas vidas.

A confusão entre massa e peso é muito comum, mas com o aumento de lançamento de foguetes e a possível colonização de outros planetas, é preciso saber diferenciar uma coisa da outra.

Diferença simples

Peso e massa são duas coisas diferentes e, apesar de parecerem algo redundante, existe um bom motivo para a essa separação. Basicamente, massa é a quantidade de matéria que existe em um corpo, independente das forças que agem sobre ele, com a mesma medida aqui na Terra ou flutuando no espaço.

O peso varia conforme o ambiente pois, na verdade, é a força que um corpo exerce quando está sob influência da gravidade. Por isso, se você viajasse até a Lua pesaria muito menos que aqui na Terra, o contrário do que aconteceria em Júpiter, onde a força gravitacional é maior. Durante o trajeto até esses locais, seu peso seria quase nulo pois nenhum planeta ou satélite estaria próximo o suficiente para exercer uma força sobre o seu corpo.

O Sistema Internacional de Unidades (SI) instituiu que a unidade padrão para se medir peso é o newton (N), que indica uma força. O grande problema é que associamos peso a quilograma (kg), unidade padrão para massa. Então, o correto ao subir em uma balança seria dizer que estamos medindo a nossa massa, ao invés de peso.

Por exemplo: para determinar o peso de uma pessoa na Terra, considerando que ela tenha 70 kg de massa, precisamos multiplicar esse valor pela aceleração da gravidade, que vale 9,81 m/s². O problema é que, caso o resultado de 686,7 N fosse mostrado em uma balança, você teria certeza de que ela está quebrada.

Já na Lua, que possui uma aceleração gravitacional de 1,6 m/s², essa mesma pessoa pesaria 112 N. Esse valor pode não significar muita coisa para a maioria das pessoas, mas se o transformarmos para o equivalente em massa aqui na Terra, tudo fica mais fácil. Assim, dividimos os 112 N encontrados pelos 9,81 m/s², que representam a aceleração da gravidade por aqui. Muitas contas depois, chegamos a uma massa equivalente de 11,4 Kg. Pouco, não acha?

Estamos habituados a chamar de peso o que na verdade seria a massa. Tanto é que o mecanismo dentro da balança mede a força gerada pelo nosso corpo através de sensores ou molas, que passam por uma conversão para quilogramas antes de ser apresentado. Ou seja, na próxima vez que você subir em uma balança já sabe que está medindo a sua massa, mesmo que ainda pense que é seu peso.