A Coreia do Sul, país da Ásia Oriental, atualmente é considerada um modelo quando se trata de sistema educacional e tecnologia. Devido ao seu rápido processo de industrialização, ocorrido na década de 1980, integrou os Tigres Asiáticos.

Dados de 2019 levantados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam que o país é nada menos que a 11ª maior economia do mundo. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) sul-coreano é de 0,903, garantindo o 23° lugar no ranking mundial.

Esses são apenas alguns dos dados que colocam a Coreia do Sul em posição de destaque. Mas no Dia Internacional da Limpeza Costeira, que é celebrado anualmente em 21 de setembro com o objetivo de conscientizar a população sobre a poluição dos oceanos, ocorreu um fato que voltou a atenção das pessoas para o país.

Enquanto voluntários espalhados por todo o mundo se reuniram para recolher o lixo espalhado em diversas localidades, uma cidade sul-coreana teve que despejar lixo em uma de suas praias para que seus voluntários tivessem o que limpar. Sim, é isso mesmo!

Diante do espanto generalizado provocado por tal medida, o prefeito do condado de Jindo se desculpou, afirmando que o lixo espalhado foi coletado em regiões próximas e que foi completamente recolhido pelos 600 voluntários presentes, anulando qualquer risco de que fosse parar no mar ou contribuísse com algum dano secundário.

Sabe-se que cada cultura tem uma maneira de lidar com os problemas contemporâneos, mas ainda assim a decisão do prefeito, sem sombra de dúvidas, pode causar certa surpresa.

O lixo oceânico

É importante destacar que, de acordo com a National Geographic, existem 5,25 trilhões de pedaços de detritos plásticos no oceano. Cerca de 269 mil toneladas de lixo flutuam nas águas, enquanto aproximadamente 4 bilhões de microfibras de plástico estão espalhados pelo fundo do mar. Isso pode ser explicado pelo processo de decomposição do plástico, que ocorre muito lentamente, e por não ter sido descartado de forma adequada, o que afeta seriamente a vida marinha em todo o mundo.