Segundo um artigo publicado pela Cretaceous Research, paleontólogos da Universidade de Calgary e do Royal Tyrrell Museum, no Canadá, descobriram uma nova espécie de tiranossauro chamado de Thanatotheristes degrootorum. O fóssil tem cerca de 79,5 milhões de anos e foi encontrado na província canadense de Alberta. Esse é o tiranossaurídeo mais antigo a habitar a região norte da América do Norte.

Segundo os cientistas, este fóssil tem vital importância para se entender o Cretáceo tardio, período em que esse animal vagava pela terra, há 66 milhões de anos.

A criatura foi identificada por meio de fragmentos de crânio e ossos da mandíbula inferior e superior, com traços jamais vistos anteriormente em outros tiranossauros. Ou seja, não só se descobriu uma nova espécie, como um novo gênero de dinossauro. A descoberta da nova espécie foi feita graças aos sulcos presente ao longo da mandíbula superior.

(Fonte: Jared Voris/Cretaceous Research/Reprodução)
(Fonte: Jared Voris/Cretaceous Research/Reprodução)

Ceifador da morte

Acredita-se que o Thanatotheristes, que em grego significa ceifador da morte, tinha 8 metros de altura e se alimentava de outros grandes dinossauros herbívoros. Ele também é parente de outras duas espécimes conhecidas de tiranossauros: o Daspletosaurus horneri e o Daspletosaurus torosus.

Esse foi o primeiro descobrimento feita nos últimos 50 anos. Isso porque os ossos, achados em 2010, foram esquecidos no Royal Tyrrell Museum até que alguns especialistas decidiram estudá-los em 2019.