No Dia das Mães é perfeitamente natural que todo mundo esteja fazendo homenagens para honrá-las e falando sobre como elas são pessoas maravilhosas e essenciais em suas vidas. Dessa forma, pode ser uma boa ideia subverter um pouco o estado das coisas e lembrar que nem tudo no mundo é feito de rosas.

As madrastas malvadas são um ótimo exemplo. Sua peculiar dualidade “boa com o pai / cruel com os filhos” é algo que, quando representado da maneira correta na ficção, faz com que suas atitudes reprovadas pelos espectadores também provoquem neles um desejo íntimo de também poder sair impunes após dar um “corretivo” em crianças mimadas. Confira a seguir a lista com as sete melhores (ou seriam piores?) madrastas más da ficção.

7 – Lupe (“The Stepmother”, filme de 1972)

Se a madrasta dos seus sonhos é uma mistura de visual dos anos 1970, descendência mexicana e boas doses de chantagem, assassinato e incesto com os filhos do marido, então essa aqui é para você. Uma mulher forçada a seduzir o descendente direto de seu novo parceiro não é algo muito comum no cinema, muito menos quando isso envolve cenas de nu frontal completo em público.

IGN

6 – Lady Tremaine (“Cinderella”, animação de 1950)

Qualquer madrasta malvada que se prese obviamente precisa de algo para o qual possa fazer maldades. O alvo favorito costuma ser os filhos do seu parceiro, mas de vez em quando também podem ser bichinhos de estimação ou até mesmo a primeira esposa (se ela não tiver falecido, é claro).

Seja qual for a vítima, o fato é que é essencial que os atos cruéis sejam eficientes como um jato de vinagre jogado sobre um pudim delicioso – isto é, o lado “do bem” da história tem que ser tão bonzinho que pareça até estar pedindo para sofrer. No caso da animação, isso chega ao ponto de termos ratos prestativos que falam, pássaros que ajudam a mocinha a se vestir e até criaturas da floresta que estão dispostas a ajudar nas tarefas domésticas.

Disney World

Como se não bastasse a crueldade com Cinderella, é perfeitamente possível imaginar Lady Tremaine armando afiadas e enferrujadas ratoeiras (nada politicamente corretas) e até mesmo recarregando espingardas para diminuir a população de pássaros prestativos na região. Por mais que seja difícil competir com fadas madrinhas capazes de criar carruagens de abóbora, ela certamente se esforçou.

5 – Frieda (“Deu a Louca na Cinderela”, animação de 2007)

Feita para ser uma espécie de Lady Tremaine alternativa, Frieda se revolta contra a lógica dos contos de fada e convence os vilões e monstros das histórias a se unirem e fazer com que todos os malvados saiam vitoriosos nas suas tramas. Ela chega ao ponto de torturar e tentar matar sua enteada, Ella, mas acaba sendo empurrada para dentro de um portal que a prende no ártico.

ShareWallpapers

4 – Fiona (“A nova Cinderela”, filme de 2004)

Okay, madrastas más geralmente fazem por merecer toda e qualquer crítica que puder ser feita a elas, mas vamos abrir uma exceção para a adaptação moderna de Lady Tremaine no longa que traz o enredo básico do conto de fadas para um contexto mais moderno. A vilã Fiona, interpretada por Jennifer Coolidge, é simplesmente tão engraçada que chega a ser difícil ter raiva dela.

Poderíamos tentar explicar por conta própria o porquê de isso ser um trato redentor da personagem, mas melhor que isso é deixar que as falas da madrasta façam o trabalho por si mesmas. “Tem algo que eu sempre quis te contar e acho que você está pronta para ouvir. Você não é muito bonita e nem é muito inteligente. Ah, fico tão feliz que pudemos ter essa conversa”, diz ela à sua enteada.

Hotflick

3 – Rainha Narissa (“Encantada”, filme de 2007)

Neste longa, a protagonista Giselle encarna uma mistura quase perfeita de Branca de Neve e Cinderela. Aqui, não é a madrasta dela quem causa problemas, mas sim sua futura sogra e madrasta do príncipe Edward, a rainha Narissa. Como se não bastasse ter o poder de enviar a mocinha para uma dimensão cheia de nova-iorquinos selvagens que saem cantando e dançando por qualquer motivo, ela ainda vira em um dragão para comer seus convidados.

Wikia

2 – Eun-joo (“A Tale of Two Sisters”, filme de 2003)

Se os métodos das infames “mães-tigre” já são algo que é tremendamente assustador, imagine como seriam se executados por uma madrasta malvada. Uma coisa é ser malvada com seus novos filhos, outra completamente diferente é a tortura psicológica de envenenar os convidados de um jantar e forçar as garotas a sentar e assistir às pessoas morrerem.

The Lady`s Revenge

1 – A Rainha (“Branca de Neve e os Sete Anões”, animação de 1937)

A rainha má do desenho animado da Disney é o primeiro lugar incontestável na lista de madrastas malignas, pois cometeu não uma, mas duas tentativas de assassinato contra sua enteada. Para ela, ser muito bonita não é o suficiente – é preciso ser considerada a melhor de todas, custe o que custar.

Ela manda Branca de Neve rumo à floresta, junto a um lenhador que recebe a missão secreta de matar a princesa e arrancar seu coração, mas, uma vez que o homem deixa a garota fugir, ela resolve agir com as próprias mãos e a envenena com uma maçã mágica – tudo isso apenas para poder ser considerada a mulher mais bela.

B+ Movie Blog

E aí, conhece mais madrastas malignas que mereciam estar nesta lista? Acha que alguma das personagens possui traços redentores? Deixe sua opinião nos comentários.

*Publicado originalmente em 09/05/2014.