Você já deve ter ouvido falar a respeito da Superlua, não é mesmo? Mais adiante nós aqui do Mega Curioso vamos explicar direitinho o que causa esse evento astronômico, mas, basicamente, ele acontece quando o nosso satélite se encontra mais próximo da Terra e, portanto, parece maior e mais brilhante do que o normal no céu noturno.

Na verdade, esse não é o que podemos chamar de fenômeno astronômico incrivelmente raro — afinal, não faltam por aí imagens deslumbrantes que foram clicadas durante esses eventos. Entretanto, o que vai acontecer hoje à noite é a maior Superlua dos últimos 70 anos. Isso porque a Lua se encontrará mais de 48 mil quilômetros mais próxima da Terra e parecerá 30% mais brilhante e 14% maior do que a média.

O que é a Superlua?

De acordo com o pessoal da NASA, a Lua apresenta uma órbita elíptica ao redor do nosso planeta, o que significa que, ao longo de sua trajetória, ela fica mais próxima ou mais distante de nós. Além disso, ainda segundo a explicação da agência espacial, o ponto de maior distância entre o satélite e a Terra recebe o nome de apogeu, enquanto que o de menor distância é chamado de perigeu.

Superlua clicada em 2015

Pois, durante a órbita lunar, quando ocorre um alinhamento entre o nosso planeta, o Sol e a Lua — evento que recebe o nome de sizígia —, de forma que a Terra fica posicionada entre o satélite e a nossa estrela, se esse alinhamento coincidir com o perigeu, então nós temos o que os astrônomos chamam de Superlua.

Só que no caso da Superlua que acontecerá esta noite, o nosso satélite entrará em sua fase cheia exatamente durante o perigeu — o que significa que ela será a lua cheia mais próxima da Terra do século 21. Aliás, nós, terráqueos, não vamos presenciar outra lua cheia tão próxima do nosso planeta até o dia 25 de novembro de 2034!

Alinhe as suas expectativas

Apesar de a Superlua de hoje à noite ser um evento superesperado, não vá pensar que a Lua vai aparecer monstruosamente imensa e ofuscante no céu. O satélite parecerá maior e mais brilhante sim, mas a verdade é que, dependendo de como o fenômeno for observado, muita gente nem vai perceber muito a diferença.

Superlua sobre a Catedral de Sevilha, na Espanha

Sendo assim, quem simplesmente olhar para a Lua no céu — sem nenhum edifício ou estrutura para ter como referência — talvez não note nada de extraordinário. Então, o ideal é que a Superlua seja observada assim que ela estiver surgindo, de preferência ainda no horizonte, e enquanto o satélite aparecer ao lado de casas, construções e outras estruturas (como árvores, montanhas, pontes etc.) que sirvam como ponto de comparação.

Além disso, para tirar o máximo proveito do espetáculo, se possível, fuja das grandes cidades e locais com muita iluminação — e procure lugares mais escuros e longe de muita poluição visual. Ah... e prepare a sua câmera! Certamente centenas de cliques incríveis da Superlua vão nos deslumbrar nos próximos dias.