Depois de tantos anos com as famosas piscinas de bolinhas fazendo a festa da garotada, é criada a primeira “praia de bolinhas” (você pode conferir no vídeo do topo da matéria). É isso mesmo, você não está louco, não. A primeira praia de bolinhas do mundo está no Museu Nacional da Construção em Washington, capital dos Estados Unidos. O projeto é de Daniel Arsham e Alex Mustonen, dois arquitetos americanos fundadores da Snarkitecture (veja a descrição abaixo).

O projeto batizado de “A Praia” consiste em cerca de 1 milhão de bolinhas brancas, feitas com plástico reciclável, espelhadas por uma área de quase 1.000 metros quadrados no salão principal do museu. Além da área com as bolinhas, há uma espécie de “faixa de areia” com aproximadamente 15 metros de comprimento, sem areia, mas com espreguiçadeiras e guarda-sóis, além de uma lanchonete para atender os “banhistas”. Quase tudo para recriar um ambiente uma praia comum pode oferecer.

Na “linha do horizonte”, o oceano de pequenas esferas ganha proporções infinitas, já que é cercado por uma parede de espelhos que realmente dão um ar de oceano interminável. Não só as incontáveis bolinhas, mas todos os itens, entre cadeiras, tendas e o bar, são brancos, causando a impressão de um ambiente ainda maior. A atração é impressionante e, pelas imagens, parece cumprir seu objetivo.

Para relaxar, espreguiçadeiras à beira da "praia de bolinhas"

A ideia de criar “A Praia” foi concebida para incentivar as pessoas a interagir com seu meio e outras pessoas que as cercam de maneira criativa, divertida e diferente. E, dessa maneira, a atração está fazendo sucesso e conquistando o público infantil e adulto, que, entre outras coisas, nadam entre as bolinhas, mergulham e descansam em boias infláveis, exatamente como ocorre em uma praia normal. O local permanece instalado até o mês de setembro no Museu Nacional da Construção dos EUA.

"A Praia" (de bolinhas) é diversão para todas as idades

A Snarkitecture

A Snarkitecture foi criada em 2008, por Daniel Arsham e Alex Mustonen, para aliar arte e arquitetura em uma prática colaborativa. Basicamente, com auxílio de outros artistas e designers, a ideia é utilizar espaços já construídos, com suas próprias arquiteturas, que podem ser mal utilizados ou que não possuem um propósito definido, para proporcionar experiências diferentes e acima das expectativas.

O nome do grupo vem da obra de Lewis Carroll, chamada de “A Caça ao Snark”. Segundo o site oficial da Snarkitecture, a inspiração no poema da autora britânica aconteceu pela história e uma “equipe improvável que faz uma viagem impossível para encontrar uma criatura inimaginável”.

"A Praia" é uma das obras constituídas pela Snarkitecture e utiliza o Salão Principal do Museu Nacional da Construção nos EUA

Para atingir os objetivos da Snarkitecture, os arquitetos fazem uma análise dos locais ou objetos a serem utilizados, observando estrutura, material e programação. Com a análise feita, o intuito é verificar como esses elementos podem ser integrados para um novo e criativo propósito de uso.

E aí, deu vontade de conhecer a "praia de bolinhas" ou, pelo menos, saudade de brincar em uma piscina dessas? Relembre e conte suas experiências com piscinas de bolinhas no Fórum do Mega Curioso