Jennifer Radigan aparenta ser uma típica adolescente de 17 anos que vive na cidade de Galston, na Escócia. No entanto, desde 2010, a dieta da garota se restringe quase que exclusivamente a batatas fritas e queijo.

Ela afirma que não é capaz de terminar uma refeição normal há anos – a simples visão de carne ou vegetais faz seu estômago revirar, e somente de vez em quando consegue comer um prato de macarrão ou batatas cozidas.

A jovem, que começou a recusar comida desde muito nova, contou à reportagem do Daily Mail que costumava ter vergonha de sua fobia a alimentos, por isso passava o dia inteiro no colégio sem comer nada e, quando chegava em casa, mentia para os pais dizendo que já havia comido.

Por causa da severa privação de comida, Jennifer já desmaiou algumas vezes quando estava em público e pesa apenas 42 quilos, medindo 1,52 metro. “Até alguns anos atrás, comia basicamente frango, mas hoje só o cheiro me deixa nauseada. Parece que, quanto mais velha vou ficando, menos comidas eu consigo tolerar, mas não dá para errar com batatas e queijo”, diz ela.

“Isso afeta todo o meu cotidiano, nem tanto por ter que comer perto de outras pessoas, mas pelos sintomas que eu tenho por causa dos problemas de saúde que isso me causa. Não passa um dia sem que eu não me sinta completamente exausta ou doente. É como um ciclo infinito no inferno”, desabafa a garota.

Apesar de já ter essa condição há anos, foi somente após bater a cabeça em um chão de concreto ao desmaiar no seu primeiro dia de trabalho que ela resolveu procurar a causa de seu distúrbio.

Os médicos acreditam que a fobia da adolescente seja um caso de Transtorno Alimentar Seletivo, doença que faz seus portadores se sentirem ansiosos ou nauseados na presença de determinados alimentos. Por conta disso, eles têm grandes chances de sofrer com extrema perda de peso e má nutrição. Ela fará uma avaliação com um especialista para confirmar o diagnóstico.

“Não há nada pior do que ter uma bela refeição na sua frente e depois da primeira mordida você perceber que simplesmente não consegue colocar mais daquilo na boca. Não importa o quanto eu queira comer, eu simplesmente não consigo. Eu sempre tive problemas principalmente com carnes. A gordura nelas me deixa enjoada”, diz a escocesa.

Jennifer, que espera cursar uma universidade a partir de setembro, diz morrer de medo que sua fobia a alimentos piore quando sair de casa. No entanto, agora que será avaliada, ela espera obter um diagnóstico concreto de sua desordem, procurar o tratamento necessário para se livrar dessa condição e ter uma vida normal.

Via EmResumo