Maio é considerado o mês das noivas e muitas procuram realizar suas festas nesse período, seja pelo clima ou pela tradição. Mas, em meio à crise econômica, muitos casais podem adiar o sonho de casar e realizar uma grande festa. Alguns fatores como alta da inflação e aumento do desemprego podem dificultar a subida ao altar.

Segundo o consultor financeiro e advogado especialista em direitos do consumidor, Dori Boucault, é possível casar mesmo em períodos de retração econômica. “Os casais tem optado por comemorações menores, só com familiares e amigos mais próximos”, afirma Boucault. De acordo com o consultor, em época de crise, para subir ao altar, é preciso economizar na preparação do casamento e ter uma renda extra para o primeiro ano de vida juntos. ”Antes de começar a contratar os serviços, é preciso fazer um bom planejamento. Tem de preparar o bolso para todos os gastos que um casamento traz, mas, ainda assim, é possível economizar”, conta Dori.

Para quem deseja casar e economizar, o consultor elencou algumas dicas:

1. Cronograma é essencial

Para os noivos que vão organizar a cerimônia e a festa sozinhos, sem a ajuda de uma assessoria de casamentos, por exemplo, o consultor orienta a fazer um cronograma para saber o que o casal irá fazer em cada mês. “É importante também criar uma planilha de gastos que respeite a lista que foi elaborada e as prioridades do investimento para não ultrapassar os limites”, afirma Boucault.

2. Os minicasamentos são boas opções para economizar

A definição do local, tipo de decoração e convidados são essenciais para medir o tamanho das despesas e uma possível economia. Segundo Dori, os mini casamentos tem menos convidados e permite que o casal personalize o casamento. “Ter menos convidados na festa reflete diretamente nos outros gastos e, consequentemente, diminui diversos custos como decoração convites e buffet, por exemplo”, explica Dori.

3. Defina um limite de convidados

Dori explica que uma festa com a presença de 50 a 100 convidados é considerada mini. “Os convites não precisam ser impressos, os convidados podem ser chamados por e-mail, celular ou redes sociais. Além disso, eles podem ser preenchidos pelos próprios novos, pode fazer parte das lembrancinhas”, orienta o especialista.

4. Escolher a data certa também ajuda a economizar

A partir da escolha da data e do horário é possível de conseguir boas reduções no preço, economizando cerca de 20 ou 25% no preço total, segundo o especialista. “Essa data deve ser pensada cerca de seis meses a um ano de antecedência para se programar e economizar”, explica Dori.

Segundo o especialista, os fornecedores podem diminuir os preços em datas e horários menos concorridos. Além disso, entre os meses de janeiro e fevereiro há menor procura, o que pode ser mais vantajoso. Os casamentos de manhã ou à tarde também costumam ser mais baratos. “Fuja de datas próximas a feriados”, explica Dori.

5. Local da cerimônia

O mini casamento pode ser feito num restaurante ou casa dos noivos ou alguém da família, por exemplo. “Não faça nada em cima da hora! Com antecedência você obtém descontos, negociando as datas e horários”, orienta o especialista.

6. Economize na lua de mel

Segundo Dori, o planejamento deve realizado com antecedência. O especialista orienta a pesquisar roteiros e preços com, pelo menos, seis meses de antecedência e a definição do destino deve ser feito em até quatro meses da data da viagem. “Quanto maior for o planejamento, mais fácil será programar o pagamento, pois é possível parcelar a viagem em até 10 vezes.

Veja a diferença da moeda entre o seu país e o destino. Se estiver muito caro ir para fora, é possível encontrar bons lugares no Brasil mesmo”, orienta o especialista. Segundo Dori, uma opção para os noivos que já moram juntos é recorrer às listas de casamentos de agencias de viagens que permitem que os convidados contribuam com cotas de viagem para que os noivos economizem mais dinheiro.

Via assessoria